No YouTube

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Resenha: Bloc Party – Hymns


Álbum é o quinto da carreira da banda, o primeiro em quatro anos

O Bloc Party é mais uma dessas bandas indies animadas que surgiu em meados da década passada, quando a onda desse tipo de som ficava cada vez mais forte e mais presente em determinados lugares. Ao longo dos anos, a banda foi ficando cada vez mais chata. Hymns, sucessor de Four, é o primeiro disco em quatro anos e com participação dos novos membros Justin Harris (baixo e teclado) e Louise Bartle (bateria).

Sabe o que é mais engraçado no início do disco? "The Love Within" é boa. Começa devagar, lenta e evolui até explodir. Dançante, ela tem tudo para fazer sucesso, apesar de seu ritmo mais lento. Uma surpresa incrível começar o trabalho assim, de forma tão positiva. E continua bem na ótima "Only He Can Heal Me", de refrão viciante e ritmo animado.

A interessante "So Real" consegue segurar bem depois das duas primeiras canções de abertura, mas coisa começa a desandar na comum, sem graça e esquecível "The Good News", e "Fortress" não se ajuda por ser bobinha e não ter nada que muita gente já não tenha feito antes. O mesmo acontece com a bem passável "Different Drugs".

Depois de uma sequência de três músicas ruins, a legal “Into the Earth" chega para animar um pouco as coisas e trazer algumas guitarras ao disco, já "My True Name" é longa e não funciona muito bem – acaba não fazendo diferença estar ou não no disco. A dançante "Virtue" só serve para... dançar mesmo porque pouca coisa se aproveita dela, a não ser a o bom ritmo.

A melosa "Exes" não é lá essas coisas e, por fim, "Living Lux" fecha do disco de maneira um pouco sombria, mas não é ruim. Ao fim da audição, o resultado é um trabalho que começa muito bem, porém peca por ter mais canções ruins do que boas, e isso prejudica muito a audição - enfadonha principalmente na metade. Mas as boas são realmente boas, então ainda há esperança de algo melhor no futuro.

Tracklist:

1 - "The Love Within"
2 - "Only He Can Heal Me"
3 - "So Real" (Okereke, Lissack, Harris)
4 - "The Good News"
5 - "Fortress"
6 - "Different Drugs"
7 - "Into the Earth"
8 - "My True Name"
9 - "Virtue"
10 - "Exes"
11 - "Living Lux"

Nota: 2/5



Veja também:
Resenha: Kanye West – The Life of Pablo
Resenha: Nevermen – Nevermen
Resenha: Elton John – Wonderful Crazy Night
Resenha: Wet – Don't You
Resenha: Rihanna – Anti
Resenha: Jesu & Sun Kil Moon – Jesu/Sun Kil Moon
Resenha: Suede – Night Thoughts

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais! Isso ajuda pra caramba o blog a crescer e ter a chance de produzir mais coisas bacanas.