No YouTube

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Resenha: The Revivalists – Men Amongst Mountains


Achar uma banda nova que agrade é uma missão quase impossível. Nem falo isso pela falta de tempo deste blogueiro, que tenta ouvir o máximo de coisas novas possíveis ao longo dos dias, mas falo isso porque são tantas opções, formas, maneiras, que é difícil escolher uma sem ficar com o sentimento de culpa na cabeça por ter deixado de passar a possibilidade de dar em primeira mão (ou quase) a próxima sensação das paradas.

Mas ao perder esse tipo de grupo, é possível encontrar outra coisa que ninguém dá muita bola ou, como acontece comigo, acaba passando despercebido. É o caso do Revivalists, banda de soul/rock fincada em Nova Orleans, formada em 2007, que lançou no último mês de julho Men Amongst Mountains, seu terceiro álbum de estúdio. Só pelo estilo de cantar de David Shaw em "Keep Going", é possível ver que estamos diante de um grupo diferente. Também dá para ver pelo andamento da melodia ao perceber um saxofone ao fundo e uma pegada mais R&B, beirando o soul. Que apresentação.

O estilo é mantido na dançante "Wish I Knew You", que vai crescendo e crescendo, mas retoma o ritmo lento de poucos instrumentos e uma encantadora levada leve na bateria, já "Gold To Glass" carrega um ar pop radiofônico – aliás, Sam Smith poderia cantá-la tranquilamente em seus shows. O auge da primeira parte do álbum é "It Was A Sin", em que é possível sentir a alma do vocalista no momento de explosão do refrão.

"Monster" não é tão boa porque soa como uma cópia barata de Kings of Leon, que também caiu bastante nos últimos anos, e "King of What" não foge disso também. Ainda bem que o gingado, o suingue, a malemolência retorna na ótima "Stand Up" e seu refrão ótimo para ser gritado em shows, e ainda o fato de ser um jazz dançante de qualidade ótima. Fechando a segunda parte, "All in the Family" é bem competente, apesar de ser um tanto óbvia.

Usar tão bem instrumentos, como no caso da boa "Move On", torna o Revivalists uma banda interessante para se observar pelos próximos meses. Na linha R&B romântico de Charley Bradley, "Need You" tem tudo para fazer sucesso por ser o tipo de música que encanta facilmente ao público de rádio, enquanto "Amber" chama atenção por ser mais uma dançante neste registro. A apenas ‘ok’ "Bulletproof", "Fade Away", uma balada longa e cheia de guitarras, e "Men Amongst Mountains", canção à la Elton John.

Lamento muito que esse disco não seja perfeito do início ao fim, porque, pelo menos, nove das 14 canções são muito boas. Ainda assim, vale a pena dar chance para essa banda. Torço bastante para o futuro deles ser brilhante em pouco tempo.

Tracklist:

1 - "Keep Going"
2 - "Wish I Knew You"
3 - "Gold To Glass"
4 - "It Was A Sin"
5 - "Monster"
6 - "King of What"
7 - "Stand Up"
8 - "All in the Family"
9 - "Move On"
10 - "Need You"
11 - "Amber"
12 - "Bulletproof"
13 - "Fade Away"
14 - "Men Amongst Mountains"

Nota: 4/5


Veja também:
Resenha: Albert Hammond Jr. – Momentary Masters
Resenha: Sun Kil Moon – Universal Themes
Resenha: Omar Souleyman – Bahdeni Nami
Resenha: Shaun Martin – 7 Summers
Resenha: The Chemical Brothers – Born in the Echoes
Resenha: Anika Moa – Queen at the Table
Resenha: Tearjerker – Stay Wild