No YouTube

terça-feira, 28 de julho de 2015

Resenha: Tearjerker – Stay Wild


O trio Micah Bonte, Trevor Hawkins e Taylor Shute forma o grupo canadense Tearjerker e, de acordo com o site oficial da própria banda, segue uma chamada estética do “faça você mesmo”. Depois de lançar um EP ano passado e fazer certo barulho entre as bandas do underground americano, eles assinaram com o selo SQE Music para colocar no mercado Stay Wild, segundo trabalho em estúdio (o primeiro foi lançado em 2011).

Nos primeiros acordes de "Stay Wild", poderia jurar que estava ouvindo alguma música do Killers recente, mas o vocal bem diferente, mais para dentro e cheio de efeitos, não é o de Brandon Flowers. Eles usam os instrumentos cheios de efeitos e brincam bastante com esses elementos, meio uma improvisação gravada e colocada no disco. Mais limpa, "Phone" entra na categoria ‘música que o Tame Impala faria’. É competente e só.

"Mind" tem o retorno da melancolia, da guitarra chorosa e de um acompanhamento um tanto sombrio, colocando um tom bem depressivo à canção. As seguintes, "The Gardiner" e "Parking Lot", são acústicas e até mais animadas, servindo como contrapeso na balança entre melancolia e alegria – não chegam a ser uma alegria na acepção da palavra, mas, perto da anterior, são quase isso.

Já "It Takes Time" tem uma rotação ainda mais abaixo, muito por conta da letra simples. Mas ainda bem que a melodia, também soando uma imensa improvisação, compensa muito. E ainda, logo depois, vem a melhor do disco, "Baseball". Ao conseguir colocar certo ar clássico nela, o Tearjerker a transformou na canção mais pop de todo disco, e isso dá um imenso potencial de single.

Com mais de dez minutos juntas, "Obviously Wrong", "Perfect" e "Heavy" poderiam mesmo ser uma faixa só que não faria muita diferença. Ao dividi-las, elas perderam a força e viraram apenas três canções medianas. E isso acaba fazendo diferença em um álbum nesse estilo psicodélico e de improvisações. Com apenas uma canção realmente boa, Stay Wild é apenas regular e competente no que se propõe.

Tracklist:

1 - "Stay Wild"
2 - "Phone"
3 - "Mind"
4 - "The Gardiner"
5 - "Parking Lot"
6 - "It Takes Time"
7 - "Baseball"
8 - "Obviously Wrong"
9 - "Perfect"
10 - "Heavy"

Nota: 2,5/5


Veja também:
Resenha: Wand – Golem
Resenha: Wilco – Star Wars
Resenha: Walt Weiskopf – Open Road
Resenha: Terakaft – Alone
Resenha: Tame Impala – Currents
Resenha: Neil Young – The Monsanto Years
Resenha: Buffy Sainte-Marie – Power In The Blood