No YouTube

terça-feira, 4 de agosto de 2015

Resenha: Albert Hammond Jr. – Momentary Masters


Dentre todos os membros do Strokes, o guitarrista Albert Hammond Jr. é o que tem a carreira solo mais ativa, apesar de ter demorado seis anos entre o segundo disco solo e o terceiro, este Momentary Masters – Yours to Keep (2006) e ¿Cómo Te Llama? (2008) são os trabalhos dele fora de sua banda original. Como os outros companheiros de grupo estão focados em outras coisas, era a hora de um novo álbum.

Quem é fã do Strokes gostará muito de "Born Slippy", que soa uma sobra de estúdio de alguma sessão de gravação do grupo. Aliás, a voz de Julian Casablancas cairia muito bem nessa faixa, principalmente se fosse lançado em Comedown Machine. Como esperado, Hammond Jr. usa a guitarra para ser base de todas as melodias e mantém o ritmo usando o instrumento para puxar os outros.

Ainda mais eletrônica que a anterior, "Power Hungry" não pega tanto por ser sem sal. Mas ainda bem que isso passa em "Caught By My Shadow". Carregada de guitarras e peso nos instrumentos, poderia até ser confundida com alguma que o Arctic Monkeys lançou recentemente, e "Coming to Getcha" é a balada segura que não pode faltar nesse tipo de disco.

O rock inofensivo está em alta, e não poderia faltar esse tipo de música no álbum. "Losing Touch" preenche a cota Keane – canções de bom apelo, refrão fácil e melodia simples – de faixas bobas e pouco atrativas. Surpreendentemente, o cover de "Don’t Think Twice", conhecido na voz de Bob Dylan, não ficou de todo ruim. Se não é algo inovador, é outra bola de segurança na hora das apresentações ter uma releitura tão famosa.

A animação retorna ao álbum na boa "Razors Edge", outra que poderia estar em algum momento dos Strokes, e continua em "Touché" e "Drunched In Crumbs". Enfim, uma sequência de canções dançantes cheias de guitarras empolgantes. E "Side Boob" encerra o álbum mantendo animação, e isso acaba sendo bom porque encobre o meio irregular e os momentos sem graça e inexpressivos. No fim, não é um trabalho primoroso, mas é divertido – divertido não significa bom, lembrando.

Tracklist:

1 - "Born Slippy"
2 - "Power Hungry"
3 - "Caught By My Shadow"
4 - "Coming to Getcha"
5 - "Losing Touch"
6 - "Don’t Think Twice"
7 - "Razors Edge"
8 - "Touché"
9 - "Drunched In Crumbs"
10 - "Side Boob"

Nota: 2,5/5


Veja também:
Resenha: Sun Kil Moon – Universal Themes
Resenha: Omar Souleyman – Bahdeni Nami
Resenha: Shaun Martin – 7 Summers
Resenha: The Chemical Brothers – Born in the Echoes
Resenha: Anika Moa – Queen at the Table
Resenha: Tearjerker – Stay Wild
Resenha: Wand – Golem