No YouTube

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Resenha: Rachel Sermanni – Tied To The Moon


Nascida em 1991, a cantora escocesa Rachel Sermanni coloca no mercado seu segundo trabalho de estúdio, chamado Tied To The Moon. Para quem pensa que ela faz um tipo de som próximo ao das paradas de sucesso, se engana. Sua voz delicada se faz presente em canções folks inspirada, como ela diz em seu site oficial, “em Bob Dylan, Eva Cassidy, Joni Mitchell, Bjork, Tom Waits e PJ Harvey”. Boas referências não faltam, resta saber se é tudo isso mesmo, diria o outro.

Mas parece que a inspiração também vem do shoegaze, principalmente pelo início do trabalho na faixa "Run", baseada em efeitos, reverbs e um violão para manter a melodia – ela cresce em certos momentos, mas mantém-se calma na maior parte. A bonita voz de Sermanni aparece mais, ganhando um bom destaque, na bonita "Wine Sweet Wine", canção que ganha o reforço de um vocal de apoio levemente distorcido.

"Old Ladies Lament" é um folk mais puro e cheio de sentimento, e a voz dá um ar ainda mais melancólico na bonita letra. Mas linda mesmo é o tratamento dado a "I've Got a Girl", que soa gravada em algum ponto dos anos 1940 ou 1950, deixando-a muito acima da média das canções deste próprio álbum. A inspiração shoegaze, bem mais lento é verdade, dá as caras novamente na tristonha "Don't Fade" – a letra poderia ter sido escrita por Damien Rice sem nenhum constrangimento.

A curta "Tractor" antecede a bonitinha "Ferryman", toda no ukulele. Ambas não tem nenhuma novidade estética e a linha segue o trabalho no álbum: uma mais agitada, seguindo uma acústica e mais leve e ambas são bem sonolentas e sem graça. Uma boa mesmo é "Banks Are Broken". E aqui acontece uma das boas coisas do trabalho, quando opta-se por mesclar uma voz feminina com uma masculina. O contraponto ficou muito interessante, musicalmente falando.

Uma balada no violão ("Begin") e outra que apela mais aos elementos eletrônicos ("This Love") fecham o disco – de maneira ruim, diga-se –, que tem letras muito bonitas, mas peca por não conseguir a atenção do ouvinte em 100% do tempo por conta de algumas escolhas erradas, principalmente em melodias e ordem das canções.

Tracklist:

1 - "Run"
2 - "Wine Sweet Wine"
3 - "Old Ladies Lament"
4 - "I've Got a Girl"
5 - "Don't Fade"
6 - "Tractor"
7 - "Ferryman"
8 - "Banks Are Broken"
9 - "Begin"
10 - "This Love"

Nota: 2,5/5


Veja também:
Resenha: The Revivalists – Men Amongst Mountains
Resenha: Albert Hammond Jr. – Momentary Masters
Resenha: Sun Kil Moon – Universal Themes
Resenha: Omar Souleyman – Bahdeni Nami
Resenha: Shaun Martin – 7 Summers
Resenha: The Chemical Brothers – Born in the Echoes
Resenha: Anika Moa – Queen at the Table