No YouTube

quinta-feira, 9 de abril de 2015

Resenha: Brian Wilson - No Pier Pressure


Não tem como lembrar Brian Wilson sem cantarolar algum hit do Beach Boys, um dos poucos grupos que chegaram a concorrer com os Beatles em duelo direto pelo primeiro lugar nas paradas de sucesso dos anos 1960. E por mais que a banda siga em atividade com parte de sua formação original, o frisson que aconteceu quando o principal compositor confirmou presença na turnê dos 50 anos da banda foi indescritível.

Depois de alguns anos trabalhando apenas em releituras de canções, como famosas trilhas dos filmes da Disney e parte do catálogo do compositor de óperas George Gershwin, Wilson colocou no mercado nesta semana No Pier Pressure, seu 11º disco de estúdio e sucessor efetivo de That Lucky Old Sun (2008), o último disco de estúdio com inéditas. A lista de participantes do novo disco, desde amigos até gente da nova geração, só aumentou a expectativa pelo teor das canções.

A voz de Brian Wilson é muito bonita, isso é inegável, ainda mais em uma letra bonita como a do jazz "This Beautiful Day". Como não é muito longa, consegue colocar o cantor em um momento só seu. Uma pena que a péssima "Runaway Dancer” é daqueles arrasa quarteirão que não deixa pedra sobre pedra de tão decepcionante. Desde o excesso de autotune nas vozes até a participação de Sebu Simonian, uma das metades do Capital Cities – da irritante “Safe and Sound”. Que indicou esse moço para participar do disco pode ser considerado um inimigo mortal de Wilson, porque amigo não é.

Uma meia reencarnação do Beach Boys aparece em "What Ever Happened", primeiro de três momentos de Al Jardine no disco. Além dele, David Marks, outro ex-beach boy, também faz sua participação especial. Na onda do trabalho de standards lançado recentemente, o duo She and Him dá brilho interessante em "On the Island", um quase bolero. Excelente mesmo é a participação do saxofonista Mark Isham em "Half Moon Bay", uma belíssima instrumental.

Uma coisa que incomoda mais é a quantidade de efeitos na voz de Wilson em "Our Special Love", deixando-a  um tanto preguiçosa e dependente de Mark Isham para preencher o espaço deixado. É um empobrecimento e até certa falta de respeito com a obra de uma das mentes mais inventivas da música nos últimos tempos. A onda 'beachboyniana' aparece novamente em "The Right Time", momento em que Jardine, David Marks e Brian mostram que estão em forma – e que unidos são melhores do que cada um em seu canto.

A letra de "Guess You Had to Be There" ganha um ar country na bela participação de Kacey Musgraves. O único problema aqui é ver o vocal principal masculino com a voz abafada pela potencia dos vocais de apoio e da cantora, visivelmente mais jovens e com mais alcance. Fechando a participação dos ex-beach boys, "Tell Me Why" e "Sail Away" não têm nada de grande destaque ou que chame a atenção como um todo.

Efetivamente, a primeira vez que Brian Wilson dá o ar da graça sozinho é em "One Kind of Love", e ele se sai muito bem na canção, que soa como seu último disco: uma trilha sonora de alguma animação. Uma pena que tudo é estragado pela voz péssima de Nate Ruess, uma espécie de novo Mika, em "Saturday Night". Quem indicou esse cara para estar aqui deveria estar, no mínimo, preso. Ainda bem que tudo acaba bem em "The Last Song" - Brian Wilson desfila todo seu talento e bom gosto na melhor de todo álbum. Tocante, ela faz até mesmo pensar se não é uma espécie de adeus do cantor aos 72 anos.

Coadjuvante de luxo em alguns momentos, Wilson não deu sorte com alguns dos convidados que acabaram estragando o que poderia ser um ótimo disco. Além disso, o excesso de efeitos me incomodou muito no decorrer da audição, tirando um pouco da magia do poder da letra. Mesmo irregular, tem boas músicas que podem fazer parte do repertório de uma futura turnê, e será lembrado por elas – não por algumas patéticas partipações.

Tracklist:

1 - "This Beautiful Day"
2 - "Runaway Dancer" (feat. Sebu Simonian)
3 - "What Ever Happened" (feat. Al Jardine e David Marks)
4 - "On the Island" (feat. She & Him)
5 - "Half Moon Bay" (feat. Mark Isham)
6 - "Our Special Love" (feat. Peter Hollens)
7 - "The Right Time" (feat. Al Jardine e David Marks)
8 - "Guess You Had to Be There" (feat. Kacey Musgraves)
9 - "Tell Me Why" (feat. Al Jardine)
10 - "Sail Away" (feat. Blondie Chaplin e Al Jardine)
11 - "One Kind of Love"
12 - "Saturday Night" (feat. Nate Ruess)
13 - "The Last Song"

Nota: 2,5/5


Veja também:
Resenha: Frank Catalano e Jimmy Chamberlin – God’s Gonna Cut You Down
Resenha: Wado – 1977
Resenha: Kíla – Suas Síos
Resenha: Ringo Starr – Postcards From Paradise
Resenha: Moonspell - Extinct
Resenha: Sufjan Stevens – Carrie and Lowell
Resenha: Robben Ford – Into The Sun
Siga o blog no Twitter, Facebook, Instagram, no G+, no no Tumblr e no YouTube

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!