No YouTube

quarta-feira, 8 de abril de 2015

Resenha: Wado – 1977


É muito estranho imaginar que, pela primeira vez, escrevo sobre um disco do Wado. Essa falta vai muito mais na minha conta – foco errado e ajustes editorais, principalmente – do que do cantor, que lançou Samba 808, em 2011, e Vazio Tropical, em 2013, este último um disco muito bom e que esteve em várias listas de melhores daquele ano.

A abertura do disco, com "Lar", mostra um Wado que consegue usar bem os elementos para construir uma boa melodia. Os instrumentos de corda com a mistura tipicamente usada por essa nova geração da música brasileira não deixa de ser interessante. Em compensação, "Cadafalso" é um tanto preguiçosa, sem graça e meio boba, e a participação de Lucas Silveira, da Fresno, não faz a menor diferença.

Nos últimos tempos, a música portuguesa tem ganhado algum espaço no Brasil, e é muito bom ver a participação de Samuel Úria na boa "Deita", essa um pouco maia adulta e mais empolgante do que a anterior. A lenta "Galo", maior faixa em duração do álbum, é aquela balada que de vez em quando aparece por aí. Apesar de um tanto previsível, a letra é boa.

Imagino que o quê de anos 1960 tenha dado uma cara muito boa a "Condensa". O piano, o conjunto de vozes, a levada da melodia, a composição da canção como um todo é acima da média, e acaba sendo a melhor de todo álbum. Na sequência, aparece "Mundo Hostil", uma que não faria muita falta se não estivesse em 1977 por ser muito enfadonha. A aparentemente biográfica "Menino Velho" é tocante e deixa uma boa impressão.

A chata "Sombras" é pretensiosa em excesso, e isso incomoda muito na audição, e "Palavra Escondida" é um tanto infantilizada e sem graça. Para o final, "Um Lindo Dia de Sol" não traz nada de novo, não empolga e acaba murchando bastante o final do disco.

Neste trabalho, Wado não encontrou o ponto ideal. E é assim, o que é bom é realmente bom, enquanto o ruim é bem ruim. Errar a mão em alguns momentos em um disco tão curto acabou comprometendo a qualidade de modo geral. Que volte melhor no próximo.

Tracklist:

1 - "Lar"
2 - "Cadafalso" (feat. Lucas Silveira)
3 - "Deita" (feat. Samuel Úria)
4 - "Galo" (feat. Graciela Maria)
5 - "Condensa" (feat. João Paulo, Martim e Beln Natali)
6 - "Mundo Hostil" (feat. Gonzalo Deniz)
7 - "Menino Velho"
8 - "Sombras"
9 - "Palavra Escondida"
10 - "Um Lindo Dia de Sol"

Nota: 2/5

Veja também:
Resenha: Kíla – Suas Síos
Resenha: Ringo Starr – Postcards From Paradise
Resenha: Moonspell - Extinct
Resenha: Sufjan Stevens – Carrie and Lowell
Resenha: Robben Ford – Into The Sun
Resenha: Selah Sue – Reason
Resenha: Altan – The Widening Gyre

Siga o blog no Twitter, Facebook, Instagram, no G+, no no Tumblr e no YouTube

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!