Mais no blog:

segunda-feira, 12 de abril de 2021

Resenha: Dois Tempos, de Pablo Francischelli

Foto: Divulgação

Filme está presente na programação da 26ª edição do festival É Tudo Verdade, que acontece entre os dias 8 e 18 de abril

Em certo dia, há quase 40 anos, o violonista argentino Lucio Yanel chegou na casa de um casal de brasileiros no Rio Grande do Sul e pediu para ficar uns dias. Esses dias acabaram virando cinco meses inteiros e foi o início de uma amizade sólida até os dias atuais. Naquele casa, morava um garoto que olhava a habilidade de Yanel com bastante atenção. Esse jovem era Yamandu Costa, hoje um dos grandes violonistas do Brasil.

Dirigido por Pablo Francischelli, "Dois Tempos" junta professor e discípulo em uma viagem de volta para a Argentina em um motorhome para uma grande apresentação. No caminho, ao longo de muitas histórias e muita música, eles vão parando em pequenas cidades, e Yanel tem oportunidade de relembrar a infância e os lugares que passou todo período de formação.

Veja também:
Resenha: Paulo César Pinheiro - Letra e Alma, de Cleisson Vidal e Andrea Prates
Resenha: Wim Wenders - Desperado, de Eric Friedler e Campino
Resenha: Jair Rodrigues - Deixa que Digam, de Rubens Rewald
Resenha: Os Quatro Paralamas, de Roberto Berliner e Paschoal Samora
Festival: In-Edit Brasil 2020

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!

Estou no Twitter e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Os primeiros minutos de longa situam quem é quem, o motivo da viagem e como eles chegaram até ali. Ao longo dos quilômetros percorridos, graças ao alto nível de intimidade, Yamandu consegue fazer Yanel falar sobre diversos assuntos, contar histórias e filosofar sobre a vida e carreira de maneira muito profunda e poética, até. A edição tem o cuidado e a competência de mesclar com muita música de ambos, seja em composições antigas ou improvisos dentro do motorhome, ou em pequenas praças no interior da Argentina.

O caminho acaba fazendo com que Yanel reveja lugares, relembre momentos e converse com pessoas sobre o passado. É evidente que tudo mudou muito ao longo dos anos e muitos lugares estão irreconhecíveis, mas as lembranças são tão fortes e profundas que o músico acaba se sentindo em casa. E tudo isso com ajuda de Yamandu Costa, um coadjuvante muito bom ao mesclar entre a curiosidade de saber mais e o silêncio contemplativo. Ainda há espaço para Yanel reencontrar amigos de muitos anos e, claro, fazer muita música com eles em uma mesa com muita comida e vinho.

Com um ritmo muito bom, uma edição de som muito boa e uma fotografia linda, "Dois Tempos" é marcado por reencontros emocionantes e por uma relação muito acima de qualquer admiração apenas profissional entre Lucio Yanel e Yamandu Costa. O documentário de Pablo Francischelli é uma verdadeira celebração da música e de uma amizade que ultrapassa qualquer barreira.

Avaliação: muito bom

Continue no blog: