Mais no blog:

segunda-feira, 23 de novembro de 2020

Resenha: King Gizzard and the Lizard Wizard - K.G.


Desde o momento em que o King Gizzard & the Lizard Wizard entrou na vida de qualquer pessoa que goste de música, é muito difícil não ficar ansioso e empolgado pelo próximo ou próximos anúncios do grupo australiano e não importa muito o teor do que vem pela frente. Na última sexta-feira (20), eles anunciaram um álbum ao vivo, chamado "Live in San Francisco' 16", e um em estúdio, "K.G." -- 16º trabalho lançado por eles desde 2012.

"K.G." chega com aquele batalhão de referências que o grupo gosta de ter em todos os trabalhos. Como, por exemplo, na primeira faixa, em que a flauta domina a cena e, pelo arranjo usado, ajuda a ter um quê de música celta logo de cara. Faria sentido se fosse outra banda? Não, mas faz com o King Gizzard & the Lizard Wizard. Na seguinte, o disco apresenta algo mais próximo feito por eles nos últimos anos e começa de fato.

Veja também:
Duas resenhas: Chris Stapleton e Yves Jarvis
Resenha: AC/DC - Power Up
Resenha: Public Enemy - What You Gonna Do When the Grid Goes Down?
Duas resenhas: Future Islands e Travis
Duas resenhas: Tiña e Ólafur Arnalds
Resenha: Mr. Bungle - The Raging Wrath of the Easter Bunny Demo

O trabalho avança e a banda utiliza bons recursos musicais para compor as faixas desse esse trabalho conceitual de canções que estão coladas umas com as outras para falar de assuntos que, de uma forma ou outra, acabam casando com o momento atual da humanidade. "Minimum Brain Size" e "Straws in the Wind" abordam o egoísmo, "Some of Us" fala sobre a história ser escrita na nossa frente e "Ontology" traz uma pensata sobre a vida, isso para ficar em apenas algumas.

É difícil não destacar a parte instrumental do disco. Ora é agitada, dançante e pronta para explodir, em outra é calma e tranquila, quase uma meditação. É nisso que as referências chegam com tudo. Do neo psicodélico dos últimos anos, passando pelo que convencionou a chamar de "world music", a Black Sabbath, tudo se encaixa em uma harmonia de sons com total sentido.

Muitas bandas soam esgotadas quando lançam vários discos em um curto período, mas isso não parece acontecer com King Gizzard & the Lizard Wizard. Ao contrário, quanto mais músicas inéditas, melhor a banda soa. Pouco mais de um ano depois de "Infest the Rats' Nest" (2019), o grupo australiano soa cada vez melhor e mais disposto a avançar musicalmente. Fazer mais do mesmo, no caso deles, não é uma opção.

Estou no Twitter e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Tracklist:

1 - "K.G.L.W."
2 - "Automation"
3 - "Minimum Brain Size"
4 - "Straws in the Wind"
5 - "Some of Us"
6 - "Ontology"
7 - "Intrasport"
8 - "Oddlife"
9 - "Honey"
10 - "The Hungry Wolf of Fate"

Avaliação: ótimo

Continue no blog:

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!