Mais no blog:

segunda-feira, 19 de outubro de 2020

Resenha: Sufjan Stevens - The Ascension


Muitos músicos fazem sucesso ao longo da vida, poucos conseguem aquele sucesso de ser reconhecido na rua por uma criança de seis anos e uma senhora de mais de 60, e pouquíssimos conseguem ser indicados ao Oscar ao longo da carreira. Se Sufjan Stevens ainda não é reconhecido por senhoras que caminham no parque enquanto falam bem dos netos e mal dos vizinhos, conseguiu ser indicado ao Oscar por "Mystery of Love", presente na trilha sonora do filme "Me Chame Pelo Seu Nome" (2017).

Pela repercussão do filme nos meses seguintes, mais gente ficou interessada na carreira do cantor e compositor. Talvez não precise dizer que a carreira dele começou nos anos 1990 e em 1999 saiu o primeiro trabalho de inéditas ou que, desde 2005, ele só vem lançando trabalhos novos em períodos de cinco anos, ou ainda que "Carrie and Lowell" (2015) é "um disco sólido e bonito para ser apreciado".

Veja também:
Resenha: Drive-By Truckers - The New OK
Resenha: METZ - Atlas Vending
Resenha: Thurston Moore - By the Fire
Resenha: Idles - Ultra Mono
Resenha: Will Butler - Generations

Resenha: Fleet Foxes - Shore

Perceber que o disco tem mais de 80 minutos de duração é um pouco assustador, mas não quando já se sabe a duração do primeiro single do trabalho -- "America" tem mais de 12 minutos. "The Ascension" tem o mérito de ser o fruto de um trabalho de um cantor, compositor e produtor ainda mais maduro com relação ao trabalho anterior. Algumas pessoas recebem o ingresso do sucesso como a validação para fazer qualquer coisa da carreira, inclusive jogar tudo no lixo ao escolher um caminho completamente errado.

Mas Sufjan Stevens consegue equilibrar bem alguns dos novos desafios impostos por ele mesmo, como usar mais música eletrônica e deixar um pouco de lado o banquinho e violão, como fazer canções que poderiam estar presentes em qualquer um dos últimos álbuns caso ele mudasse um pouco o arranjo. É difícil fazer isso, ainda mais se a expectativa por uma nova "Mystery of Love" por parte do público for muito alta.

Além de "America", faixa de protesto sobre a cultura americana de maneira geral, é possível destacar a grudenta "Video Game" -- quando ele fala sobre esse momento do mundo em que o valor das pessoas está no número de seguidores nas redes sociais -- e "Sugar" -- sobre dar o sua melhor versão para quem gosta de você de verdade.

A indicação ao Oscar deu a Sufjan Stevens a oportunidade de seguir na mesma linha de trabalho, mas ele optou por outro caminho. Nem melhor, nem pior, ele apenas faz uma coisa diferente. E foi ótimo na missão que deu a si próprio.

Siga o blog no Twitter e no Facebook e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Tracklist:

1 - "Make Me an Offer I Cannot Refuse"
2 - "Run Away with Me"
3 - "Video Game"
4 - "Lamentations"
5 - "Tell Me You Love Me"
6 - "Die Happy"
7 - "Ativan"
8 - "Ursa Major"
9 - "Landslide"
10 - "Gilgamesh"
11 - "Death Star"
12 - "Goodbye to All That"
13 - "Sugar"
14 - "The Ascension"
15 - "America"

Avaliação: ótimo

Continue no blog:

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!