Mais do blog:

quarta-feira, 5 de junho de 2019

Resenha: Dead Fish - Ponto Cego


O Dead Fish é uma banda veterana do hardcore brasileiro. Em atividade desde o início dos anos 1990, o grupo atingiu o auge da popularidade no início dos anos 2000 com o álbum "Zero e Um (2004) e um especial chamado "MTV Apresenta Dead Fish" (2006). De lá para cá, o grupo passou por algumas transformações, amadurecimento e voltou recentemente em "Vitória" (2015). Quatro anos depois, "Ponto Cego" é o novo disco de estúdio disponibilizado recentemente.

Eles começam com tudo em "A Inevitável Mudança", uma faixa forte e pesada em letra e melodia. Depois vem a veloz "Sangue Nas Mãos", justamente o momento em que a banda se posiciona abertamente contra os movimentos políticos no Brasil nos últimos anos - muitos deles são citados diretamente na letra.

Veja também:
Resenha: Flying Lotus - Flamagra
Resenha: Rodrigo y Gabriela - Mettavolution
Resenha: Mac Demarco - Here Comes the Cowboy
Resenha: Bad Religion - Age of Unreason
Resenha: L7 - Scatter the Rats
Resenha: King Gizzard & the Lizard Wizard - Fishing for Fishies


Depois, a banda critica pessoas, movimentos e classes manipuláveis, como em "Pobres Cachorros" e "Não Termina Assim". Já "Sombras Da Caverna" apresenta um incrível potencial ao ser a mais grudenta de todo álbum ao falar sobre como os ricos e poderosos querem manter tudo igual para seguir com privilégios. É o tipo de canção que funciona muito bem no disco e deve ser ainda melhor ao vivo.

Se "O Melhor Em Um" tem uma parte melódica bem forte, "Doutrina Do Choque" puxa por um lado mais punk para criticar o "predador neoliberal" e o "Chicago boy". É uma crítica bem pesada e direta para parte liberal do atual governo. Depois da veloz "Etiqueta Social", "Suv's (Stupids Utility Vehicle)" usa o nome de um veículo muito popular entre a classe mais rica como uma crítica a quem despreza as pessoas mais humildes.

O fim reserva espaço para alguns absurdos que ganharam legitimidade ("Apagão" e "Janelas"), uma crítica direta ao presidente da República ("Messias"), críticas às reformas feitas no governo Michel Temer e ao fato de grupos alimentarem o medo para propor soluções fáceis ("Receita Pro Fracasso") e um resumo do comportamento de parte da sociedade atual ("Descendo as Escadas").

O documentário "Asfalto – 25 anos de Dead Fish" (2017) mostra bem a banda e como sobreviver após os altos e baixos foi fundamental para manter-se na ativa. Próximo de completar 30 anos, o grupo segue fiel aos pensamentos e ações desde sempre, resultando em um álbum muito bom mais uma vez. Não dá para falar que eles enganaram ninguém. Estavam aí o tempo inteiro.

Tracklist:

1 - "A Inevitável Mudança"
2 - "Sangue Nas Mãos"
3 - "Pobres Cachorros"
4 - "Não Termina Assim"
5 - "Sombras Da Caverna"
6 - "O Melhor Em Um"
7 - "Doutrina Do Choque"
8 - "Etiqueta Social"
9 - "Suv's (Stupids Utility Vehicle)"
10 - "Apagão"
11 - "Janelas"
12 - "Messias"
13 - "Receita Pro Fracasso"
14 - "Descendo as Escadas"

Avaliação: muito bom




Siga o blog no Twitter e no Facebook e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Saiba como ajudar o blog a continuar existindo

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!

Continue no blog: