terça-feira, 3 de abril de 2018

Resenha: Ty Segall – Freedom's Goblin


Cantor tem afiada banda para acompanhá-lo em disco com mais de 70 minutos de duração

Há espaço na música para os mais variados perfis: de canções simples a coisas mais complexas, todos têm sua vez e chance para fazer o tipo de música que quiser e atrair os tipos mais diversos de fãs. Mas parece que Ty Segall quer ser todos os tipos musicais em Freedom's Goblin, décimo disco de estúdio da carreira – o quarto em cinco anos. E, ao apresentar o álbum, é impossível ser indiferente ao que ele faz em pouco mais de 74 minutos.

São 19 faixas dos mais variados tipos em que Ty Segall é acompanhado pela ótima The Freedom Band. É difícil definir o gênero musical para encaixar o álbum, então todos é uma boa resposta. Por exemplo, "Fanny Dog" tem uma pegada tão pop e simples, que, caso tivesse sido gravada por uma banda dos anos 1970, estaria entre uma das melhores daquela época – com direito a um belo solo de guitarra na parte final. Depois de começar bem agitado, "Rain" surge para apresentar um lado mais melancólico do término de um romance, que também aparece em "My Lady's on Fire".

Veja também:
Resenha: Jack White – Boarding House Reach
Resenha: BIKE – Their Shamanic Majesties' Third Request
Resenha: David Byrne – American Utopia
Resenha: The Breeders – All Nerve
Resenha: Superchunk – What a Time to Be Alive
Resenha: Hookworms – Microshift
Resenha: Joe Satriani – What Happens Next


"Every 1's a Winner" apresenta um lado mais funkeado e dançante em que guitarra e percussão se fundem para criar algo único, já "Despoiler of a Cadaver mantém o ritmo, mas há o acréscimo de um elemento mais disco music – destaque para o refrão grudento. O lado mais experimental retorna com tudo em "When Mommy Kills You", quando a guitarra distorcida faz toda diferença para criar esse clima de urgência que a faixa deseja apresentar ao público.

Um dos pontos destacáveis do álbum é como Ty Segall constrói bem o clima para envolver o ouvinte. Em "Alta", a faixa começa bem lenta até explodir, porém a melodia segue um ritmo muito suave e, de novo, com uma melancolia que ele ainda não havia apresentado em outros trabalhos. Mas é na próxima, "Meaning", que ele e a banda apresentam o lado punk. A canção não decepciona, apesar de parecer demorar a engatar um pouco.

A acústica "Cry Cry Cry" retorna com uma balada bem anos 1970, com direito a coro no vocal de apoio e tudo, assim como "You Say All the Nice Things" – uma das melhores do álbum –, e "I'm Free". "Shoot You Up" aproveita o embalo do violão, acrescenta uma guitarra distorcida e apresenta uma boa canção. E "The Last Waltz" tem um quê engraçadinho, feito para dançar de zoeira na rua depois de umas 12 cervejas.

Daí quando você pensa que as coisas acalmaram... "She" aparece. Pesada até a medula, todos na banda pesam a mão nos instrumentos para criar uma base sonora de pura força – chega a soar uma competição para ver quem toca mais alto por mais tempo. O ritmo diminui na faixa instrumental "Prison", mas logo tudo é retomado em "Talkin 3" em que dá para destacar o vocal bem agressivo.

O disco é tão surpreendente e, ao mesmo tempo, tão natural nas mudanças que nem dá para perceber como "The Main Pretender" é a antítese das anteriores. Meio um jazz experimental, ela é curta e agrada por conseguir unir vários elementos diferentes em uma faixa só. Segall retorna com o que melhor sabe fazer em "5ft Tall", outra de teor mais pop e divertida. O disco é encerrado com "And, Goodnight", faixa com mais de 12 minutos. Uma piração própria, cheia de efeitos, distorções e tudo que eles têm direito. Um encerramento ótimo.

Aliás, não é só encerramento é ótimo. O disco todo é excelente. Ty Segall e a banda vão em várias direções sem perder o rumo ou determinada faixa soar apenas presente por algum capricho. Não, tudo se encaixa perfeitamente em um dos melhores discos de 2018. Ty Segall se encaminha para virar um dos grandes músicos dessa segunda década dos anos 2000. E Freedom's Goblin mostra bem isso.


Tracklist:

1 - "Fanny Dog"
2 - "Rain"
3 - "Every 1's a Winner"
4 - "Despoiler of a Cadaver"
5 - "When Mommy Kills You"
6 - "My Lady's on Fire"
7 - "Alta"
8 - "Meaning"
9 - "Cry Cry Cry"
10 - "Shoot You Up"
11 - "You Say All the Nice Things"
12 - "The Last Waltz"
13 - "She"
14 - "Prison"
15 - "Talkin 3"
16 - "The Main Pretender"
17 - "I'm Free"
18 - "5ft Tall"
19 - "And, Goodnight"

Avaliação: excelente



Me siga no Twitter e no Facebook e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Saiba como ajudar o blog a continuar existindo

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!