No YouTube

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Resenha: The War On Drugs – A Deeper Understanding


Quarto disco de estúdio da banda foi disponibilizado recentemente

Em Lost in the Dream (2014), o War on Drugs estabeleceu-se como uma das melhores bandas do circuito alternativo que a Pitchfork adora adora falar bem e colocar na capa do site. Claro que ter uma cobertura desse tamanho ajuda, mas o grupo liderado por Adam Granduciel tem um algo a mais que o diferencia de outros com a sonoridade parecida. Aliando um lado melódico dos melhores com ótimas letras, eles estão bem consolidados no tipo de público que desejam atingir.

A Deeper Understanding é o quarto disco de estúdio da banda e começa com "Up All Night", o tipo de música que você não dá muita coisa no início, mas não tem coragem de pular por querer saber até onde vai. Aliás, é uma boa característica da banda: despertar a curiosidade de quem vai ouvir o disco inteiro. É instigante saber como eles vão construindo as melodias e camadas das canções. Na seguinte, "Pain", o trabalho da guitarra é dos mais interessantes, tecnicamente falando.

Veja também:
Resenha: Far From Alaska – Unlikely
Resenha: Mallu Magalhães – Vem
Resenha: Arcade Fire – Everything Now
Resenha: Letrux – Letrux Em Noite de Climão
Resenha: Ride – Weather Diaries
Resenha: Roger Waters – Is This The Life We Really Want?
Resenha: Lorde – Melodrama


"Holding On" o uso do sintetizador para criar um clima animado serve para mostrar como eles não estão presos no lado depressivo da vida – a letra fala sobre o prazer de ter alguém a seu lado. A delicadeza retorna na ótima "Strangest Thing" em que podemos perceber que nem toda música longa precisa ficar tediosa na metade final. É possível construir uma atrativa faixa com mais de seis minutos sem querer mostrar todo seu conhecimento em determinado instrumento ou provar alguma coisa a alguém no período.

A curta "Knocked Down" mostra também um bom poder de síntese na mais curta em duração do disco, mas ela tem suas qualidades na construção que leva o ouvinte até o refrão, enquanto a guitarra alta e participativa – quase um refrão instrumental – retorna na dançante "Nothing To Find". Os mais de 11 minutos de "Thinking of a Place" enganam bem qualquer desavisado, mas nem pense em pular a faixa. Melhor do disco e uma das melhores do ano, ela sintetiza muito bem todo trabalho feito até aqui em todos os aspectos de um grupo muito maduro musicalmente ao ponto de conseguir fazer algo deste tamanho.

"In Chains", "Clean Living" (essa a melhor das três por conseguir aliar o trabalho da banda com um tom mais pop e que pode agradar a mais pessoas) e "You Don't Have To Go". São três faixas bem semelhantes e boas para amarrar o disco como um todo.

Se você procura uma banda de ótimas melodias e com uma discografia consistente, ouça o War on Drugs. E pode até começar com esse disco mesmo, um dos melhores lançamentos de 2017.

Tracklist:

1 - "Up All Night"
2 - "Pain"
3 - "Holding On"
4 - "Strangest Thing"
5 - "Knocked Down"
6 - "Nothing To Find"
7 - "Thinking of a Place"
8 - "In Chains"
9 - "Clean Living"
10 - "You Don't Have To Go"

Nota: 4,5/5



Saiba como ajudar o blog a continuar existindo

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!