No YouTube

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Dois discos: Paramore e Harry Styles

Discos foram lançados no início do mês de maio


Paramore – After Laughter

O novo disco do Paramore começa com a ótima "Hard Times", quase uma continuação do bom disco anterior – Paramore (2013). Pegajosa, essa faixa é uma das melhores já feitas pela banda porque consegue incorporar muito bem a transição entre o passado, o presente e constrói um momento interessante no futuro. Mas, infelizmente, o resto do disco não segue essa toada. Na ânsia de tentar soar o mais pop possível para atrair o maior número de pessoas possíveis, a banda exagera e acaba passando do limite. O mesmo limite que fez o Coldplay ficar insuportável, por exemplo. O mesmo limite que vai minando a carreira do The Killers, que sonha em ser o Queen do século 21. É tudo tão genérico e falsamente épico que soa preguiçoso e sem graça. O Paramore conseguiu involuir de um disco para o outro. Uma pena, porque o anterior mostrava um caminho dos melhores para carreira depois do início pautado no modismo.

Nota: 2/5

Veja também:
Dois discos: Vanguart e Lobos de Calla
Dois discos: Body Count e Pulled Apart By Horses
Dois discos: Marcelo Yuka e Biquini Cavadão
Dois discos: Jamiroquai e Goldfrapp
Dois discos: Hurray For The Riff Raff e Brian Jonestown Massacre
Dois discos: Chicano Batman e Grandaddy
Dois discos: Robert Randolph and The Family Band e Clap Your Hands Say Yeah



Harry Styles – Harry Styles

Harry Styles é mais um daqueles produtos empacotados da indústria da música pronto para consumo imediato por jovens e adultos. Com o início de carreira na banda adolescente One Direction, ele já tinha sucesso suficiente para apostar em um disco solo com a pausa temporária da banda. E lá foi ele usar a mesma fórmula de sucesso do pop do século 21: quatro produtores, cinco compositores e 45 músicos de estúdio para ajudá-lo em sua estreia solo – para facilitar ainda mais, recebeu o nome dele. E eles trabalharam muito bem e merecem cada centavo ganho pelo serviço, porque esse álbum é certeiro para atrair todo tipo de público. É uma espécie de Alpha FM para todas as idades, uma ótima ideia para ganhar público rápido e um caminho sem volta na música pop mainstream – a maioria das pessoas de sucesso na música da atualidade usa esse mesmo artifício. "Sign of the Times" e "Two Ghosts" deixam isso claro. O resto do disco segue a mesma linha, mas sem a força dessas duas faixas.

Nota: 3/5

Saiba como ajudar o blog a continuar existindo

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!