No YouTube

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Resenha: Regina Spektor – Remember Us to Life


Álbum da cantora é o sétimo da carreira

Ao lembrar que o primeiro disco de Regina Spektor completa 15 anos neste ano, a sensação é que o tempo está passando muito rápido depois do início dos anos 2000 – parece que as conversas intermináveis sobre o bug do milênio foram ontem. Se o tempo passou, a pianista só ficou melhor ao longo dos anos e conseguiu uma carreira de imenso sucesso e prestígio internacional. Disponibilizado nos formatos físico e digital, Remember Us to Life é o sétimo álbum de estúdio.

Mesclando as batidas eletrônicas com o piano, "Bleeding Heart" tem um início bem diferente, e isso evolui para algo mais experimental quando entra o refrão. Por fim, ela termina em algo completamente clássico e bem a cara da cantora. Aqui dá para ter uma ideia do teor do disco, mas a impressão é outra quando começa "Older and Taller" - uma completa imersão ao pop comercial.

Veja também:
Resenha: Devendra Banhart - Ape in Pink Marble
Resenha: The Baggios – Brutown
Resenha: Pixies – Head Carrier
Resenha: Bastille – Wild World
Resenha: M.I.A. - AIM
Resenha: Macy Gray – Stripped
Resenha: Willie Nelson – For the Good Times: A Tribute to Ray Price

De ar bem clássico, "Grand Hotel" tem no belo arranjo o mote principal da bonita canção, diferente das melancólicas "Small Bill$" e "Black and White", sendo a segunda de ar mais romântico e, até certo ponto, pessoal. E a primeira metade do álbum é finalizada com a triste "The Light", colocando bastante peso na melodia de uma letra linda.

Como em uma peça de teatro, é possível dividir "The Trapper and the Furrier" em atos de início, meio e fim. O arranjo de cada parte ajuda a corroborar essa ideia, ainda mais com o tom pesado das palavras sobre um futuro assustados para humanidade. E pouca coisa muda em "Tornadoland", outra em que tudo é muito sombrio, triste e reflexivo sobre a vida. "Obsolete" (uma longa canção triste do início ao fim), "Sellers of Flowers" (outra com teor de ópera) e "The Visit" (uma declaração de teor muito pessoal que fala sobre o passado e ser diferente no futuro) encerram o trabalho.

Bom, nem precisa falar que é um disco melancólico que vai caindo na tristeza até ficar realmente deprimido. O problema é que fica meio repetitivo, às vezes, mas vale a pena porque as melodias são ótimas e algumas letras realmente levam o ouvinte a pensar.

Tracklist:

1 - "Bleeding Heart"
2 - "Older and Taller"
3 - "Grand Hotel"
4 - "Small Bill$"
5 - "Black and White"
6 - "The Light"
7 - "The Trapper and the Furrier"
8 - "Tornadoland"
9 - "Obsolete"
10 - "Sellers of Flowers"
11 - "The Visit"

Nota: 3,5/5



Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...