No YouTube

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Resenha: De La Soul – and the Anonymous Nobody...


Banda pediu dinheiro aos fãs e foi atendida

O crowdfunding, a popular 'vaquinha', vem fazendo cada vez mais sucesso – tanto que até gente com dinheiro está fazendo uma. No caso do De La Soul, eles criaram uma para financiar o novo disco, o recém-lançado and the Anonymous Nobody.... Ultrapassando facilmente a meta de US$ 100 mil, eles entregaram um EP em abril e o disco no final da última semana.

"Genesis" parece ser a canção ideal para abrir esse disco. Com um discurso de Jill Scott embalado por uma melodia que lembra os filmes da Disney, o registro começa de verdade na seguinte, "Royalty Capes", de batida forte, andamento rítmico certeiro e ótimo arranjo. A dançante "Pain" traz um lado mais soul music, um lado mais James Brown.

A sequência formada por "Property of Spitkicker.com", "Memory of… (Us)" e "CBGB's" mostra como canções diferentes, ainda que de qualidade inferior às primeiras, conseguem se encaixar dentro de uma proposta. O hip-hop de alto nível "Lord Intended" coloca o grupo na posição de mostrar força nas batidas e nas letras, algo sempre muito bom de ouvir em discos do tipo. Com a participação de David Byrne, "Snoopies" ganhou um tom experimental com toques de rap.

Veja também:
Resenha: Paula Cavalciuk – Morte & Vida
Resenha: Wado – Ivete
Resenha: Xóõ - Xóõ
Resenha: Of Montreal - Innocence Reaches
Resenha: Deftones – Gore
Resenha: Young The Giant – Home of the Strange
Resenha: Steven Tyler – We're All Somebody from Somewhere

Usher surge em "Greyhounds", uma queda significativa na qualidade, enquanto a curta "Sexy Bitch" serve para abrir "Trainwreck" - o baixo é o grande destaque da canção ao dominá-la completamente. A tediosa "Drawn" mostra que nem sempre um momento épico é bem aproveitado, e "Whoodeeni" retoma o ritmo e a potência rítmica do grupo.

A protocolar "Nosed Up" antecede a interessante e fora da curva "You Go Dave (A Goldblatt Presentation)". "Here in After", com Damon Albarn, soa como uma das faixas do disco solo do vocalista do Blur – animada e cheia de instrumentos incomuns – e "Exodus" amarra o discurso e encerra bem o disco.

Um pouco mais curto e seria um excelente trabalho do De La Soul. Raros discos longos conseguem ser muito bons por ter muito material - é difícil não haver um deslize aqui ou acolá. No fim das contas, é um bom álbum com, pelo menos, metade com ótimas canções.

Tracklist:

1 - "Genesis" (featuring Jill Scott)
2 - "Royalty Capes"
3 - "Pain" (featuring Snoop Dogg)
4 - "Property of Spitkicker.com" (featuring Roc Marciano)
5 - "Memory of… (Us)" (featuring Estelle and Pete Rock)
6 - "CBGB's"
7 - "Lord Intended" (featuring Justin Hawkins)
8 - "Snoopies" (by De La Soul and David Byrne)
9 - "Greyhounds" (featuring Usher)
10 - "Sexy Bitch"
11 - "Trainwreck"
12 - "Drawn" (featuring Little Dragon)
13 - "Whoodeeni" (featuring 2 Chainz)
14 - "Nosed Up"
15 - "You Go Dave (A Goldblatt Presentation)"
16 - "Here in After" (featuring Damon Albarn)
17 - "Exodus"

Nota: 3,5/5



Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!