No YouTube

quarta-feira, 8 de junho de 2016

Resenha: The Claypool Lennon Delirium – Monolith of Phobos


Parceria entre Les Claypool e Sean Lennon disponibilizou primeiro disco recentemente

O Claypool Lennon Delirium é a união do baixista e vocalista do Primus Les Claypool e o multi-instrumentista Sean Lennon, filho de John Lennon e Yoko Ono. A dupla se juntou para formar um projeto de música experimental e bem alternativa que mistura vários subgêneros, coisas populares e muita coisa estranha.

Um recado: se você pretende ouvir só pelo fato de ter Sean Lennon, sugiro estar preparado para um dos trabalhos mais estranhos que você ouvirá em sua vida. Começando pelo começo, como diria o outro, "The Monolith of Phobos" é muito experimental ao brincar de unir vários elementos desconexos separadamente, porém iguais quando se juntaram nesse disco.

"Cricket and the Genie (Movement I, The Delirium)" e "Cricket and the Genie (Movement II, Oratorio Di Cricket)" estão dentro do mesmo universo. Enquanto a primeira é mais comum e até lembra o trabalho do Primus na releitura da trilha sonora d'A Fantástica Fábrica de Chocolate, a segunda é mais densa e pesada no arranjo, e traz mais experimentalismo.

A melhor faixa do disco vem na sequência, a ótima "Mr. Wright". O refrão grudento, o baixo incessante e o bom ritmo dão o tom nesse primeiro momento da participação da dupla no vocal. Delicada e bem suave, "Boomerang Baby" tem um ar interessante pelos efeitos e pelo fato de dar uma aliviada em todo experimentalismo do álbum, que retorna em "Breath of a Salesman" – quase uma peça de teatro em forma de música.

Bem perto do trabalho que Sting fez em seu último álbum, "Captain Lairat" tem um quê de aventura no mar bem divertido, bom para rir um pouco e ainda tem uma parte instrumental bem legal perto do fim, e "Ohmerica" é divertida e leve, funcionando para criar um clima cômico na reta final do álbum. "Oxycontin Girl" funciona muito pelo bom ritmo que a dupla impõe na repetição de uma frase ('so blue'), "Bubbles Burst" aparece como uma letra autobiográfica e muito bonita, e, por fim, a densa faixa instrumental "There's No Underwear in Space" fecha o trabalho.

A parceria entre Claypool e Lennon gerou um disco muito legal para quem gosta de música experimental. Ao sair do comum e apostar em algo diferente e bem trabalhado, a dupla, espero eu, pode ter vida longa na música.

Tracklist:

1 - "The Monolith of Phobos"
2 - "Cricket and the Genie (Movement I, The Delirium)"
3 - "Cricket and the Genie (Movement II, Oratorio Di Cricket)"
4 - "Mr. Wright"
5 - "Boomerang Baby"
6 - "Breath of a Salesman"
7 - "Captain Lairat"
8 - "Ohmerica"
9 - "Oxycontin Girl"
10 - "Bubbles Burst"
11 - "There's No Underwear in Space" (Instrumental)

Nota: 4/5



Veja também:
Resenha: The Kills – Ash and Ice
Resenha: Corinne Bailey Rae – The Heart Speaks in Whispers
Resenha: Selton – Loreto Paradiso
Resenha: Anohni – Hopelessness
Resenha: James Blake - The Colour in Anything
Resenha: Ba Cissoko – Djeli
Resenha: Mahmundi – Mahmundi

Esse post foi um oferecimento de Felipe Portes, o primeiro patrão do blog. Contribua, participe do nosso Patreon.

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais! Isso ajuda pra caramba o blog a crescer e ter a chance de produzir mais coisas bacanas.

Siga o autor no Twitter