No YouTube

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Resenha: Primus – Primus & The Chocolate Factory With Fungi Ensemble


A Fantástica Fábrica de Chocolate é um filme que marcou a infância de muitas crianças que hoje são adultos. O remake estrelado por Johnny Depp é péssimo, mas o primeiro é fantástico. Muito difícil que alguém na faixa etária entre 20 e 30 anos que não tenha se encantado com o longa de 1971 estrelado por Gene Wilder.

Mas foi baseado na versão estrelada por Depp que o Primus se inspirou para fazer Primus & The Chocolate Factory With Fungi Ensemble. Não é bem um disco de inéditas, mas uma releitura do grupo sobre as canções da trilha sonora do trabalho.

De cara, é possível adivinhar que poucas pessoas gostarão desse disco. Ele é conceitual no nível Lulu, parceria entre Lou Reed e Metallica. As canções são de difícil acesso e não foi fácil ouvir o disco inteiro. Como as músicas praticamente são coladas umas nas outras, a sensação é de ouvir uma peça única durante os 40 minutos de audição.

Basicamente, é a visão do Primus sobre o filme, uma visão que beira o suspense com filme de terror. Não fiz o teste, mas a sensação é de dar play no filme e deixar o disco rolando. A primeira parte é mais densa e cheia de camadas, apelando mais para o instrumental e momentos em que o cantor/narrador faz aparições pontuais – é quase uma ópera, só que com guitarra, baixo e bateria. Como em "Oompa Augustus", às vezes eles usam parte das canções originais para completar a canção como uma espécie de colagem. E isso funciona bem.

É muito complicado casar tantos elementos em um álbum só. Isso precisa ser feito com muito cuidado para não deixar de lado as coisas importantes, como voz e os instrumentos mais básicos. Um bom exemplo de como é possível fazer isso sem estragar a canção é em "I Want It Now", em que elementos da música africana são inseridos e misturados com ópera rock e trilha sonora de animação. Uma bela sacada.

Se você leu esse texto e foi atrás do álbum, uma dica: paciência. Não é fácil porque a sensação é de ver um dos filmes que marcaram minha infância transformado em um longa de terror ou algo parecido com isso. Particularmente, gosto desse tipo de trabalho conceitual, cheio de nuances, que não agrada de primeira e que foge do lugar comum. Não estará nas listas de melhores do ano por aí, mas é um ótimo modelo de como é possível fazer uma releitura competente e digna.

Tracklist:

1 - "Hello Wonkites"
2 - "Candy Man"
3 - "Cheer Up Charlie"
4 - "Golden Ticket"
5 - "Lermaninoff"
6 - "Pure Imagination"
7 - "Oompa Augustus"
8 - "Semi-Wondrous Boat Ride"
9 - "Oompa Violet"
10 - "I Want It Now"
11 - "Oompa Veruca"
12 - "Wonkmobile"
13 - "Oompa TV"
14 - "Farewell Wonkites"

Nota: 3/5



Veja também:
Resenha: Yusuf Islan (Cat Stevens) – Tell ‘em I’m Gone
Resenha: …And You Will Know Us By the Trail of Dead – IX
Resenha: Billy Idol – Kings & Queens of the Underground
4 em 1: Memórias de um Caramujo, Mônica Salmaso, Policromo e Submarinos
Resenha: Melvins – Hold It In
Resenha: Mark Lanegan Band – Phantom Radio




Siga o blog no Twitter, Facebook, Instagram, no G+ e no YouTube

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!