No YouTube

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Resenha: Red Hot Chili Peppers – The Getaway


Novo álbum da banda vem cinco anos depois do último com inéditas

Sempre é curioso perceber quando uma banda tem duas boas fases em questão de pouco mais de uma década. Isso aconteceu com o Red Hot Chili Peppers quando eles lançaram Mother's Milk (1989), Blood Sugar Sex Magik (1991) e Californication (1999). Eles conseguiram o sucesso em gerações diferentes, ampliando o espectro do público que eles levam aos shows até hoje.

De 1984 até 2016, a banda lançou 11 discos de estúdio, média de um novo trabalho a cada três anos mais ou menos (sou de humanas, deem um desconto). Por isso, The Getaway foi anunciado com entusiasmo por muita gente, até mesmo para saber se seria melhor que o apenas satisfatório I'm With You, de 2011 – aliás, esse disco foi o primeiro a ser resenhado no blog. A curiosidade também era grande para saber como eles se saem sem a produção de Rick Ruben, com eles desde Blood Sugar Sex Magik. O requisitado Danger Mouse assina como produtor no novo trabalho.

A faixa-título abre o disco mostrando todas as qualidades do RHCP em fazer uma balada convincente e cheia de elementos que deixaram os deixaram famosos, como a guitarra dando tom e um andamento suave na bateria. Serve como bom aquecimento para o que vem pela frente, que é "Dark Necessities". O baixo deixa claro que Flea comandará a canção do início ao fim, principalmente para fazer a ponte entre as partes. Uma balada feita para tocar no rádio e fazer sucesso ao melhor estilo de "Snow (Hey Oh)".

Álbuns de estúdio: Red Hot Chili Peppers
Discos para história: Californication, do Red Hot Chili Peppers (1999)

O tal retorno às origens que foi alardeado aparece em "We Turn Red", que tem muito da pegada deles lá dos anos 1990, e "The Longest Wave" surge com as certezas de outro potencial sucesso e de que o Chili Peppers virou mesmo uma banda de balada com picos de funk e/ou algo mais pesado. A construção melódica de "Goodbye Angels" vai levando o ouvinte ao ápice bem devagar até que tudo explode de maneira suave. Uma boa canção, sem dúvida – a parte instrumental é de chorar de tão ótima.

Outra balada, "Sick Love" conta com a participação de Elton John e Bernie Taupin na composição – eles são parceiros musicais há anos – da balada lenta e até sem graça de tão bobinha. O RHCP aparece em "Go Robot", uma ótima canção. Veloz no ritmo certo, dançante e bem a cara da banda, é um ótimo momento no trabalho. Mostra que eles ainda estão em forma para fazer esse tipo de melodia.

Nem precisa de muito para saber o toque de Danger Mouse em "Feasting on the Flowers", enquanto "Detroit" é o grupo californiano em sua essência. Uma coisa muito boa de "This Ticonderoga" é mostrar como é possível mesclar o peso e a lentidão na mesma canção. Josh Klinghoffer está ganhando espaço, ainda que muito lentamente, dentro do grupo.

"Encore" e "The Hunter" funcionam? Sim, sem dúvida. O destaque fica para Klinghoffer tocando baixo na segunda, algo até inesperado, mas que deixou a canção com uma cara bem melancólica. Por fim, "Dreams of a Samurai" traz uma mistura de jazz, progressivo, funk e um quê meio experimental. Diferente e até ousado para encerrar o álbum.

Ligeiramente melhor que o anterior, esse novo trabalho do RHCP soa como algo extremamente protocolar. Não sei se as boas canções são fortes o suficiente para envelhecer bem, o que é um problema se olhar para o longo prazo. É um bom trabalho, bem feito e bem produzido, mas não ao ponto de ser marcante.

Tracklist:

1 - "The Getaway"
2 - "Dark Necessities"
3 - "We Turn Red"
4 - "The Longest Wave"
5 - "Goodbye Angels"
6 - "Sick Love"
7 - "Go Robot"
8 - "Feasting on the Flowers"
9 - "Detroit"
10 - "This Ticonderoga"
11 - "Encore"
12 - "The Hunter"
13 - "Dreams of a Samurai"

Nota: 3/5



Veja também:
Resenha: Metá Metá - MM3
Resenha: Catfish and the Bottlemen – The Ride
Resenha: Fitz and the Tantrums – Fitz and the Tantrums
Resenha: Peter Bjorn and John – Breakin' Point
Resenha: Paul Simon – Stranger to Stranger
Resenha: The Claypool Lennon Delirium – Monolith of Phobos
Resenha: The Kills – Ash and Ice

Esse post foi um oferecimento de Felipe Portes e Rafael Monteiro, os primeiros patrões do blog. Contribua, participe do nosso Patreon.

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais! Isso ajuda pra caramba o blog a crescer e ter a chance de produzir mais coisas bacanas.

Siga o autor no Twitter