No YouTube

quarta-feira, 15 de junho de 2016

Resenha: Catfish and the Bottlemen – The Ride


É o segundo trabalho lançado pelo grupo em dois anos

"Quem raios é Catfish and the Bottlemen", deve estar se perguntando o leitor que chegou aqui sem saber quem é essa banda galesa fundada em 2007. Assim como foi com o Kasabian no início dos anos 2000, esse é mais um grupo que só o Reino Unido concebe e entende bem. The Ride é o segundo disco de estúdio deles – o primeiro chama-se The Balcony, de 2014.

"7" abre o disco já com uma boa intensidade e guitarras suaves acompanhando o vocalista, enquanto o andamento é bem simples para uma faixa com cara de single que os jovens ingleses vão se lembrar como música que embalou o verão daquele ano. Segunda canção, "Twice" é aquele pop bem bonitinho e inocente, ideal para quem está saindo da fase criança e está descobrindo coisas novas sem sair muito da sua bolha particular.

O tipo de canção feita para as apresentações aparece logo de cara com "Soundcheck", que tem todos os elementos necessários para levantar o público. Outra que tem chance de satisfazer potenciais adolescentes é "Postpone", essa tem um refrão fácil e uma guitarra à Foo Fighters para não colocar defeito. Entre o vai-e-vem da letra, "Anything" é bem comum, e só isso mesmo.

A acústica "Glasgow" é desanimada e sem graça, já "Oxygen" apela para o uso do solo de guitarra em uma animada ponte para a segunda parte da canção. E "Emily" pode até passar despercebida por ser mais do mesmo em relação ao pop rock dos anos 2000 – em resumo, é ruim e dá para pular numa boa. A agitada e empolgante "Red" chega e surpreende, diferente da desanimada "Heathrow" – um poço de chatice. E "Outside" fecha o disco de maneira bem mais ou menos. Mais para menos, nesse caso.

É aquele negócio: pode até ser que uma ou duas músicas sejam lembradas por quem passou o verão ouvindo a banda, mas não mais do que isso. É um trabalho muito comum e cheio de vícios de quem deseja alcançar o sucesso ao querer ampliar seu público de maneira porca.

Tracklist:

1 - "7"
2 - "Twice"
3 - "Soundcheck"
4 - "Postpone"
5 - "Anything"
6 - "Glasgow"
7 - "Oxygen"
8 - "Emily"
9 - "Red"
10 - "Heathrow"
11 - "Outside"

Nota: 2/5



Veja também:
Resenha: Fitz and the Tantrums – Fitz and the Tantrums
Resenha: Peter Bjorn and John – Breakin' Point
Resenha: Paul Simon – Stranger to Stranger
Resenha: The Claypool Lennon Delirium – Monolith of Phobos
Resenha: The Kills – Ash and Ice
Resenha: Corinne Bailey Rae – The Heart Speaks in Whispers
Resenha: Selton – Loreto Paradiso

Esse post foi um oferecimento de Felipe Portes e Rafael Monteiro, os primeiros patrões do blog. Contribua, participe do nosso Patreon.

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais! Isso ajuda pra caramba o blog a crescer e ter a chance de produzir mais coisas bacanas.

Siga o autor no Twitter