No YouTube

terça-feira, 14 de junho de 2016

Resenha: Fitz and the Tantrums – Fitz and the Tantrums


Terceiro trabalho de estúdio saiu no final da última semana

O Fitz and the Tantrums foi tão alardeado nesses dias em vários programas de TV, que resolvi dar uma chance a eles. Pesquisei um pouco e descobri que esse álbum, que leva o nome da banda formada em 2008, é o terceiro trabalho em estúdio – o segundo por uma grande gravadora, a Elektra.

Daí começa o álbum... E o resultado é bem desastroso, para falar o mínimo. "HandClap" abre o disco e é muito ruim, batida, tem uma falsa empolgação e não tem nada realmente de empolgante ou aproveitável. É uma mistura de poperô de quinta com música eletrônica muito ruim. A situação não melhor muito na seguinte, "Complicated", um combinado de nada com coisa alguma com um refrão extremamente grudento.

"Burn It Down" soa como qualquer música que o David Guetta coloca a mão – um refrão épico antecedido por um pedaço em que a batida vai crescendo aos poucos. "Roll Up" não funciona porque é fraca e sem propósito, assim como as previsíveis "Tricky" e "Fadeback", duas vergonhas de tão ruins que são.

Para não dizer que só tem música ruim, tem uma legalzinha: "Run It". E é só isso mesmo, legal, nada mais. "Get Right Back" é deprimente de tão ruim. Mal estruturada, parece filme ruim – aquele que você sabe cada passo do roteiro sem ter lido nada antes. Sabe a mesma coisa? "Do What You Want" é exatamente o resumo desse disco: repetitivo e sem propósito.

O único bom acerto do disco é a dançante "Walking Target", que é a penúltima faixa do álbum. Por fim, a comum "A Place for Us" encerra (ufa...) esse péssimo álbum do Fitz and the Tantrums. Não vale o hype, e existem bandas melhores para colocar o pessoal para dançar. Essa só me encheu de tédio mesmo.

Tracklist:

1 - "HandClap"
2 - "Complicated"
3 - "Burn It Down"
4 - "Roll Up"
5 - "Tricky"
6 - "Fadeback"
7 - "Run It"
8 - "Get Right Back"
9 - "Do What You Want"
10 - "Walking Target"
11 - "A Place for Us"

Nota: 1/5



Veja também:
Resenha: Peter Bjorn and John – Breakin' Point
Resenha: Paul Simon – Stranger to Stranger
Resenha: The Claypool Lennon Delirium – Monolith of Phobos
Resenha: The Kills – Ash and Ice
Resenha: Corinne Bailey Rae – The Heart Speaks in Whispers
Resenha: Selton – Loreto Paradiso
Resenha: Anohni – Hopelessness

Esse post foi um oferecimento de Felipe Portes e Rafael Monteiro, os primeiros patrões do blog. Contribua, participe do nosso Patreon.

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais! Isso ajuda pra caramba o blog a crescer e ter a chance de produzir mais coisas bacanas.

Siga o autor no Twitter