No YouTube

quarta-feira, 18 de maio de 2016

Resenha: Primal Scream - Chaosmosis


Banda soltou novo álbum três anos após o último com inéditas

More Light, de 2013, mostrou que o Primal Scream tinha muita lenha para queimar. Era o primeiro disco deles em cinco anos e acabou figurando em várias listas de melhores daquele ano. Pois bem, em março, a banda disponibilizou Chaosmosis - trabalho que só entrou no modo grátis nos serviços de streaming recentemente. É o 11º álbum da carreira dos escoceses.

O começo animado de "Trippin' on Your Love" chama atenção. Primeiro por ser um bom cartão de visitas, alegre e dançante, e acaba sendo de fácil absorção por conta do ouvinte por ter uma melodia bem difícil de esquecer e de refrão grudento. A segunda canção, "(Feeling Like A) Demon Again", não é tão boa, mas ainda funciona bem para manter a atenção do ouvinte.

"I Can Change" mantém o bom ritmo ao desacelerar as coisas e mostrar uma banda mais calma e serena, mas a coisa começa a ficar estranha em "100% or Nothing". Ela destoa muito das outras e a participação das Haim não ajuda muito nesse aspecto – elas estão bem melhores na abertura do álbum.

Outra abaixo das expectativas é "Private Wars", uma tentativa ruim de reviver a música tradicional celta. Letra e melodia são muito pobres, e ainda pior é "Where the Light Gets In" com a participação da Sky Ferreira. Não sei se o Primal Scream tentou ser moderno e gravar com alguém de sucesso entre os jovens, só se que não quero ouvir essa música nunca mais. É muito ruim, beira o ofensivo.

A curta "When the Blackout Meets the Fallout" é interessante do ponto de vista estético, apesar de pouco acrescentar como um todo no trabalho. E "Carnival of Fools" é estranha, sem lugar na discografia do grupo e não cai bem nos ouvidos, e a longa "Golden Rope" traz uma estética interessante e só. "Autumn in Paradise" encerra um disco sem graça, sem empolgação e sem inspiração. Uma pena, porque More Light havia colocado o Primal Scream em outro patamar ao lançar um dos melhores álbuns da década. Uma queda de nível desse tamanho é de se lamentar muito.

Tracklist:

1 - "Trippin' on Your Love"
2 - "(Feeling Like A) Demon Again"
3 - "I Can Change"
4 - "100% or Nothing"
5 - "Private Wars"
6 - "Where the Light Gets In"
7 - "When the Blackout Meets the Fallout"
8 - "Carnival of Fools"
9 - "Golden Rope"
10 - "Autumn in Paradise"

Nota: 2/5



Veja também:
Resenha: BaianaSystem – Duas Cidades
Resenha: Pet Shop Boys – Super
Resenha: Graham Nash – This Path Tonight
Resenha: Radiohead – A Moon Shaped Pool
Resenha: Ben Harper and The Innocent Criminals - Call It What It Is
Resenha: Brian Eno – The Ship
Resenha: Willie Nelson - Summertime: Willie Nelson Sings Gershwin

Esse post foi um oferecimento de Felipe Portes, o primeiro patrão do blog. Contribua, participe do nosso Patreon.

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais! Isso ajuda pra caramba o blog a crescer e ter a chance de produzir mais coisas bacanas.

Siga o autor no Twitter