No YouTube

sexta-feira, 1 de abril de 2016

Discos para história: Axis: Bold as Love, do Jimi Hendrix Experience (1967)


A edição 121 da seção contará a sequência da carreira de Jimi Hendrix. Axis: Bold as Love o consagrou como o maior guitarrista de todos os tempos

História do disco

Por si só, Are You Experienced já seria histórico por ser o primeiro lançamento do Jimi Hendrix Experience, formado por Jimi Hendrix, Noel Redding e Mitch Mitchell. Mas, no início de 1967, o trio não conseguiu uma boa colocação nas paradas britânicas com o single “Hey Joe” – apesar do sucesso nas apresentações incendiárias pela Europa e nas casas de shows em Londres e região.

A coisa só mudaria de figura na famosa edição do Monterrey Pop Festival, evento que quase não teve a presença de Jimi Hendrix. Ele só foi convidado depois de grande insistência de Paul McCartney, então um dos organizadores. No fim das contas, o público e a imprensa americana puderam ver o potencial dele no palco. Foi lá que ele colocou fogo na guitarra, imagem célebre e um dos ícones da cultura pop do final dos anos 1960.

“Estávamos ao lado do palco e Hendrix estava mexendo as mãos como se houvesse chamas, como se fosse algum tipo de coisa espiritual estranha. E depois ele colocou a guitarra no chão e tocou fogo!”, diz Grace Slick, do Jefferson Airplane, à revista 'Rolling Stone' (artigo traduzido para edição brasileira número 94, lançada em julho de 2014).

Discos para história: Are You Experienced (1967), do Jimi Hendrix Experience 

Com contrato para dois discos para 1967, o trio nunca parou de gravar demos. O trabalho para o novo disco começou em maio de 1967, quando se juntaram músicos, o produtor Chas Chandler e o engenheiro de som Eddie Kramer – do primeiro dia, três das sete gravações foram incluídas no disco. O dia em estúdio era muito árduo, porque Hendrix fazia várias tentativas até tudo ficar perfeito.

Mas como as coisas não podem acontecer da maneira certa, Hendrix perdeu a máster principal de um dos lados do vinil. Com o prazo apertado, o guitarrista contou com ajuda de Chandler e Kramer para regravar a parte perdida, mas não ficou como estava antes por ter sido feito às pressas – ele nunca se perdoou por isso. Antes de morrer, Mitch Mitchell revelou que o perfeccionismo de Hendrix gerou atrito com o produtor, porque ele se mostrava muito bom também na função de mixagem, além de conseguir colocar muitas ideias em prática que desagradaram a Chandler.

A capa, uma representação da deusa indiana Vishnu, foi rejeitada pelo trio desde sempre – a ideia partiu da gravadora aliada aos fatos de a psicodelia e o hinduísmo estarem em alta, era um pacote completo no fim dos anos 1960. Os hindus não gostaram e não gostam disso até hoje, pois é, segundo eles, “falta de respeito com a deidade responsável pela manutenção do universo”.

Lançado em 1º de dezembro de 1967 no Reino Unido, o álbum chegou ao primeiro lugar das paradas e lá ficou por 17 semanas, sendo elogiado por público e crítica. Nos Estados Unidos foi disponibilizado em fevereiro do ano seguinte e chegou ao terceiro posto rapidamente.


Resenha de Axis: Bold as Love

O início do álbum é o típico início de um programa de rádio dos anos 1967, só que com as vozes alteradas e vários efeitos de pedal bem estranhos e chamativos ao ouvinte mais atento. O trabalho começa, com música, em "Up from the Skies", faixa que trata sobre vida extraterrestre na terra. O ritmo, um jazz misturado com funk, é capaz de encantar logo de cara pela capacidade em envolver quem ouve em pouco tempo. Difícil parar depois dessa.

O blues pesado de "Spanish Castle Magic" traz o som característico de Jimi Hendrix na guitarra e a batida pesada de Mitch Mitchell na bateria. Ao escrever sobre o passado, quando tocava em bandas semiamadoras em Seattle, o guitarrista conseguiu dar peso à letra e a recheou com riffs inesquecíveis. Indo para o soul, "Wait Until Tomorrow" é uma das grandes canções de Hendrix por conseguir encaixar as influências do gênero de maneira a não descaracterizá-lo por completo e ainda conseguir dar um toque de genialidade à sua maneira.



Toda técnica é mostrada em "Ain't No Telling", em que o trio consegue criar uma bela harmonia para o improviso na guitarra ir conectando os versos e tudo fazer sentido nessa música animada. Outra ótima gravação é "Little Wing", boa para dar uma referência do momento em que a música mainstream estava vivendo em 1967 – muitos efeitos e longas partes instrumentais feitas para deixar quem ouve bem alto. Curta e precisa.

"If 6 Was 9" foi uma das canções que precisou ser regravada e Hendrix nunca ficou totalmente satisfeito com o resultado. Imagine como era a primeira versão masterizada? Gravada às pressas, a canção é uma das mais inventivas e geniais do rock por simplesmente parecer um quebra-cabeça em que o ouvinte vai montando as peças enquanto a música evolui e, ao fim, tudo faz sentido. Mas precisou passar por todo processo de apreciar cada pedaço e riff de guitarra para entender.

"You Got Me Floatin'" traz uma atmosfera ótima de R&B ao disco depois de uma canção mais pesada, fazendo muito sentido para abrir o lado B, já "Castles Made of Sand" trata da infância de Hendrix de maneira sublime ao colocar o pé em vários gêneros, mas sem exagerar em nada. É o tipo de música que muitos dariam alguma parte do corpo para fazer uma igual. Única canção que não foi composta pelo guitarrista, "She's So Fine" é do baixista Noel Redding e é bem direta ao usar uma instrumentação bem pesada.



A balada "One Rainy Wish" é boa o suficiente para dar a chance de o ouvinte aproveitar e relaxar na audição depois de momentos mais fortes e/ou dançantes, algo bom também para mostrar a capacidade do trio em fazer uma canção simples. Se "Little Miss Lover" recoloca o disco no caminho do blues elétrico, "Bold as Love" é encerramento perfeito para essa obra-prima. Cheia de cores audíveis (escutem, vocês entenderão), ela levou quase 30 tentativas para ficar perfeita – e não ficou, pegaram a primeira parte do take 20 e uniram com a segunda do take 27. Ela tem de tudo e acaba refletindo bem uma geração de músicos e da psicodelia.

Axis: Bold as Love é o álbum perfeito para entender algumas coisas: a genialidade de Jimi Hendrix na guitarra, como o trio funcionava muito bem em estúdio e como o Verão do Amor acabou sendo fundamental para entender os jovens e a música daquele período. Se você ouvir, esse disco reflete tudo isso.



Ficha técnica:

Tracklist:

Lado A

1 - "EXP" (1:55)
2 - "Up from the Skies" (2:55)
3 - "Spanish Castle Magic" (3:00)
4 - "Wait Until Tomorrow" (3:00)
5 - "Ain't No Telling" (1:46)
6 - "Little Wing" (2:24)
7 - "If 6 Was 9" (5:32)

Lado B

8 - "You Got Me Floatin'" (2:45)
9 - "Castles Made of Sand" (2:46)
10 - "She's So Fine" (Noel Redding) (2:37)
11 - "One Rainy Wish" (3:40)
12 - "Little Miss Lover" (2:20)
13 - "Bold as Love" (4:11)

Gravadora: Track
Produção: Chas Chandler
Duração: 39min21s

Jimi Hendrix: vocais, guitarra, piano, flauta doce e voz de ‘Mr. Paul Caruso’ em "EXP"
Mitch Mitchell: bateria, glockenspiel em "Little Wing", vocal de apoio e entrevistador em "EXP"
Noel Redding: vocal de apoio, baixo, pedal em "If 6 Was 9" e vocalista principal em "She's So Fine"

Convidados:

Gary Leeds: pedal em "If 6 Was 9"
Graham Nash: pedal em "If 6 Was 9"
Trevor Burton: vocal de apoio em "You Got Me Floatin'"
Roy Wood: vocal de apoio em "You Got Me Floatin'"



Veja também:
Discos para história: The Clash, do Clash (1977)
Discos para história: Maysa, de Maysa (1966)
Discos para história: Master of Puppets, do Metallica (1986)
Discos para história: OK Computer, do Radiohead (1997)
Discos para história: Rain Dogs, de Tom Waits (1985)
Discos para história: Back to Black, de Amy Winehouse (2006)
Discos para história: Highway 61 Revisited, de Bob Dylan (1965)


Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais! Isso ajuda pra caramba o blog a crescer e ter a chance de produzir mais coisas bacanas.