No YouTube

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Resenha: The World Is a Beautiful Place & I Am No Longer Afraid to Die – Harmlessness


Pode parecer estranho, mas The World Is a Beautiful Place & I Am No Longer Afraid to Die é o nome de uma banda. Com nove membros e classificada como indie, não é difícil comparar com A Banda Mais Bonita da Cidade, Teatro Mágico e outros grupos que misturam música e performances teatrais em suas apresentações. Harmlessness, novo disco da banda, é o segundo trabalho em estúdio – lançado dois anos depois do bem avaliado Whenever, If Ever.

Só no violão no início e com uma evolução da melodia na segunda metade, "You Can't Live There Forever" dá bem o tom do que será o disco até o encerramento, e a instrumental "blank #11" consegue ser uma continuação da anterior e abrir para "January 10th, 2014" – de pegada pop leve que tem um público certo para agradar os ouvidos.

Outra bem radiofônica para qualquer jovem, "The Word Lisa" não tem nada que chame atenção. E esse é o problema do disco como um todo: nada chama atenção. É tudo tão pasteurizado, feito com aquele cuidado para agradar a audiência, que não há espaço para nada diferente. É a mesma coisa de sempre misturada como novidade alguma. A passável "Rage Against the Dying of the Light" e a tentativa pop punk de "Ra Patera Dance" são pouco proveitosas.

A sonolenta "Mental Health" (toda no violão), a tentativa de fazer algo mais agitado "Wendover" e a ainda mais sonolenta "We Need More Skulls" mostram que não basta ser ruim, tem que fazer tudo da pior maneira possível. A passável "Haircuts for Everybody" abre para, por incrível que possa parecer, a bonitinha "Willie (For Howard)".

Longa – muito, muito, muito longa mesmo – “I Can Be Afraid of Anything" é pura enrolação até a chegada da última canção, "Mount Hum", que fecha o disco. Um disco bem ruim, aliás, que pouco agrega e parece ser mais uma daquelas bandas que a mídia indie adora, mas é sem graça, genérica e sem sal.

Tracklist:

1 - "You Can't Live There Forever"
2 - "blank #11"
3 - "January 10th, 2014"
4 - "The Word Lisa"
5 - "Rage Against the Dying of the Light"
6 - "Ra Patera Dance"
7 - "Mental Health"
8 - "Wendover"
9 - "We Need More Skulls"
10 - "Haircuts for Everybody"
11 - "Willie (For Howard)"
12 - "I Can Be Afraid of Anything"
13 - "Mount Hum"

Nota: 1/5



Veja também:
Resenha: Grimes – Art Angels
Resenha: Siba – De Baile Solto
Resenha: The Winery Dogs – Hot Streak
Resenha: Daniel Menche & Mamiffer – Crater
Resenha: Seinabo Sey – Pretend
Resenha: Julia Holter – Have You In My Wilderness
Resenha: The Arcs – Yours, Dreamily

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais! Isso ajuda pra caramba o blog a crescer e ter a chance de produzir mais coisas bacanas.


Meu sonho é que o Music on the Run, que começou como hobby, vire uma coisa mais legal e bacana no futuro, com muito conteúdo em texto, podcast e mais coisas, porque eu acredito que dá para fazer mais e melhor com o apoio de quem lê o blog.
Apoie:
Você não quer se comprometer em uma assinatura? Não tem problema, pode doar qualquer valor em reais via PagSeguro: