No YouTube

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Resenha: Siba – De Baile Solto


Os ritmos brasileiros sempre foram um interessante alvo de estudo de muitos pesquisadores nos últimos anos e, há pouco mais de 20 anos, o Brasil recebeu muito bem bandas como Nação Zumbi e Mundo Livre S/A, ambas de Pernambuco, e a mistura de forró com punk dos Raimundos. Toda essa volta foi dada para falar sobre o novo disco do Siba, De Baile Solto, uma retomada desse tipo de mistura que ajudou o País a entender um pouco mais de si no aspecto musical.

A guitarra que inicia "Marcha Macia" é dançante, apesar de a letra tratar de uma paulada em alguns dos barões que ainda mandam no Brasil em pleno 2015 (aliás, é daquelas faixas que chegam em boa hora), já a percussão em "Gavião" dá o tom de um repente que virou uma ótima canção – também é interessante ouvir os outros instrumentos complementando bem a melodia.

"Mel Tamarindo" é puro ritmo pernambucano, é puro Brasil, é pura poesia. Cheia de ritmo, deveria fazer parte de algum trio durante o tradicional carnaval na cidade, principalmente pela ótima parte instrumental nos momentos finais, e a lírica "Três Desenhos" consegue trazer delicadeza ao disco, enquanto "Três Carmelitas" tem um refrão sensacional, que grudará na sua cabeça por dias – a melodia também.

Outra paulada na classe política é "Quem e Ninguém" no melhor estilo de música consagrada no nordeste: uma espécie de forró mais falado do que cantado, só que aqui há uma mistura de elementos, e isso tudo transforma a letra quase em um manifesto. Soando uma música quase ao vivo de tão crua, a instrumental "De Baile Solto" é bonita e coloca o ouvinte para dançar um pouco.

A marchinha "A Jarra e a Aranha" é outra que pode (e deve!) fazer parte de qualquer bloco de carnaval no próximo ano por ter tudo que uma música desse tipo precisa ter – animação, letra fácil e refrão engraçado. A delicada e melancólica "O Inimigo Dorme" é linda, e "Meu Balão Vai Voar" fecha o álbum de maneira magistral.

Escrever sobre o novo disco do Siba foi a correção de um erro. Lançado no primeiro semestre, o disco só foi descoberto pelo editor deste blog por esses dias. Claramente, foi uma perda de tempo não ouvi-lo, porque é um dos ótimos trabalhos lançados no Brasil neste ano. E virou um dos preferidos da casa.

Tracklist:

1 - "Marcha Macia"
2 - "Gavião"
3 - "Mel Tamarindo"
4 - "Três Desenhos"
5 - "Três Carmelitas"
6 - "Quem e Ninguém"
7 - "De Baile Solto"
8 - "A Jarra e a Aranha"
9 - "O Inimigo Dorme"
10 - "Meu Balão Vai Voar"

Nota: 4,5/5



Veja também:
Resenha: The Winery Dogs – Hot Streak
Resenha: Daniel Menche & Mamiffer – Crater
Resenha: Seinabo Sey – Pretend
Resenha: Julia Holter – Have You In My Wilderness
Resenha: The Arcs – Yours, Dreamily
Resenha: Silva – Júpiter
Resenha: Adele – 25

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais! Isso ajuda pra caramba o blog a crescer e ter a chance de produzir mais coisas bacanas.


Meu sonho é que o Music on the Run, que começou como hobby, vire uma coisa mais legal e bacana no futuro, com muito conteúdo em texto, podcast e mais coisas, porque eu acredito que dá para fazer mais e melhor com o apoio de quem lê o blog. Apoie:
Você não quer se comprometer em uma assinatura? Não tem problema, pode doar qualquer valor em reais via PagSeguro: