No YouTube

quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Resenha: Julia Holter – Have You In My Wilderness


Formada em música, Julia Holter vem em ascensão na carreira. Com três discos lançados até então, a cantora já estava na mira dos grandes sites e revistas especializados em música, e Have You In My Wilderness, quarto trabalho em estúdio, parece ser o momento ideal para ela se firmar como uma das novas cantoras da atual geração.

"Feel You" é uma junção de coisas delicadas que, unidas, deixam a faixa leve e receptiva para quem está ouvindo. O conjunto de cordas ao fundo consegue dar um bom tom e manter o ritmo, enquanto a cantora cumpre bem seu papel. E "Silhouette" consegue segurar bem ao trazer uma canção muito bonita, mostrando todo talento de Julia Holter.

Quase uma ópera, “How Long” conta uma história melancólica sobre abandono. É possível fazer uma comparação partir de "Lucette Stranded on the Island" com Lana Del Rey, que faz um estilo musical próximo – próximo, não igual – de Holter. Só que a ideia de que a segunda está sendo mais sincera do que a primeira cabe muito mais, mesmo em letras de temáticas semelhantes. E isso faz uma diferença imensa.

A bonita e simples "Sea Calls Me Home" parece uma música de filme de pirata ou qualquer coisa do tipo – o solo de saxofone está ótimo –, e “Night Song” tem um refrão seguido de um verso que são matadores (Show me now/Show me your second face/Show me how you make/Your second face/What did I do to make you feel so bad?/What did I do that you would make me feel so bad?) na melhor de todo disco. Falam em Adele, mas isso, sim, é uma canção depressiva.

"Everytime Boots" e "Betsy on the Roof", duas canções de melodia melancólica, usam mais a parte instrumental para compor a música do que uma letra, já "Vasquez" conta a história, de uma maneira bem estranha, de Tiburcio Vásquez – um dos grandes bandidos dos Estados Unidos no final do século 19. E a faixa-título surge para arrematar tudo, em outra bela canção do início ao fim.

Entre os muitos discos melancólicos do ano, o de Julia Holter está entre os melhores. Cheio de boas melodias e letras tocantes, o trabalho estará em muitas listas de melhores do ano. E com razão.

Tracklist:

1 - "Feel You"
2 - "Silhouette"
3 - "How Long?"
4 - "Lucette Stranded on the Island"
5 - "Sea Calls Me Home"
6 - "Night Song"
7 - "Everytime Boots"
8 - "Betsy on the Roof"
9 - "Vasquez"
10 - "Have You in My Wilderness"

Nota: 4/5



Veja também:
Resenha: The Arcs – Yours, Dreamily
Resenha: Silva – Júpiter
Resenha: Adele – 25
Resenha: Kurt Cobain – Montage of Heck: The Home Recordings
Resenha: Killing Joke – Pylon
Resenha: Jeff Lynne's ELO – Alone in the Universe
Resenha: Supercordas – Terceira Terra

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais! Isso ajuda pra caramba o blog a crescer e ter a chance de produzir mais coisas bacanas.


Meu sonho é que o Music on the Run, que começou como hobby, vire uma coisa mais legal e bacana no futuro, com muito conteúdo em texto, podcast e mais coisas, porque eu acredito que dá para fazer mais e melhor com o apoio de quem lê o blog. Apoie:
Você não quer se comprometer em uma assinatura? Não tem problema, pode doar qualquer valor em reais via PagSeguro: