No YouTube

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Resenha: The Winery Dogs – Hot Streak


A estreia do Winery Dogs foi surpreendentemente boa, figurando entre os 50 melhores discos de 2013 deste blog. Richie Kotzen, Billy Sheehan e Mike Portnoy formaram esse supergrupo depois de uma jam em que os três gostaram do que ouviram, além, claro, de toda diversão de poder tocar o que quiser e não estar preso a propostas de suas bandas anteriores.

Hot Streak chega ao mercado como aquele momento de autoafirmação que todo grupo novato necessita – apesar de rodados no mundo da música, eles não têm privilégios e começaram tocando em casas pequenas e estão evoluindo a cada dia que passa. "Oblivion" abre o disco com aquele tipo de música que agradará qualquer fã de hard rock (riffs intensos de guitarra, longas partes instrumentais e uma letra fácil de cantar e/ou gritar).

Claro que não poderia faltar aquela balada típica dessas bandas que mesclam um pouco de blues canções. Lenta e bem certeira, "Captain Love" é dessas, e "Hot Streak" traz o hard rock com uma dose de progressivo, agora com tons mais lentos e aproveitando mais o vocal, diferente de "How Long", um pouco mais pesada – o baixo dá um tom interessante à melodia.

"Empire" e "The Bridge" aparecem e mostram como o grupo, além do hard rock, conseguiu colocar a influência do progressivo sem ficar entediante (chato). Deu para segurar legal, assim como a longa balada de ar flamenco "Fire”. A empolgante "Ghost Town" mostra todo talento do grupo, e "War Machine" é outra que cumpre bem seu papel sem comprometer.

"Spiral" (lenta e com a guitarra distorcida), "Devil You Know" (hard rock clássico de refrão grudento no melhor estilo ZZ Top), "Think It Over" (outra balada) e "The Lamb" (mais uma lenta) fecham o disco, que, quase certamente, não figurará nas listas dos melhores do ano, mas não deixa de ser um disco divertido e cheio de coisas proveitosas – como Mike Portnoy cantando. Enfim, é para ouvir sem remorso.

Tracklist:

1 - "Oblivion"
2 - "Captain Love"
3 - "Hot Streak"
4 - "How Long"
5 - "Empire"
6 - "Fire"
7 - "Ghost Town"
8 - "The Bridge"
9 - "War Machine"
10 - "Spiral"
11 - "Devil You Know"
12 - "Think It Over"
13 - "The Lamb"

Nota: 3/5



Veja também:
Resenha: Daniel Menche & Mamiffer – Crater
Resenha: Seinabo Sey – Pretend
Resenha: Julia Holter – Have You In My Wilderness
Resenha: The Arcs – Yours, Dreamily
Resenha: Silva – Júpiter
Resenha: Adele – 25
Resenha: Kurt Cobain – Montage of Heck: The Home Recordings

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais! Isso ajuda pra caramba o blog a crescer e ter a chance de produzir mais coisas bacanas.


Meu sonho é que o Music on the Run, que começou como hobby, vire uma coisa mais legal e bacana no futuro, com muito conteúdo em texto, podcast e mais coisas, porque eu acredito que dá para fazer mais e melhor com o apoio de quem lê o blog. Apoie:
Você não quer se comprometer em uma assinatura? Não tem problema, pode doar qualquer valor em reais via PagSeguro: