No YouTube

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Resenha: Seinabo Sey – Pretend


Seinabo Sey é filha de uma sueca com um gambiano, uma mistura que deu a ela a influência musical do pop mais alguns dos melhores, interessantes e curiosos ritmos africanos. Disso tudo nasceu Pretend, álbum de estreia da cantora, que já vem sobimensa expectativa – ela foi apontada, ainda ano passado, como uma das revelações deste ano.

"Younger" começa com um piano, mas, logo que aparece a voz de Seinabo Sey, é possível ouvir que ela é uma boa cantora, apesar de desperdiçar tempo usando um efeito desnecessário na voz. A faixa poderia ser muito melhor sem todos os efeitos usados, deixando tudo muito robotizado e um tanto sem graça. Realmente eletrônica, "Pretend" traz uma batida muito interessante e consegue animar.

A balada "Poetic" – balada no sentido mais pop possível da palavra – coloca a cantora em uma posição muito boa para explorar seu bom vocal em uma letra fácil e de batida grudenta, uma das muitas especialidades da música sueca, já a influência africana aparece nas ótimas "Hard Time" e "Easy", momentos em que a voz ganhar um espaço muito bom.

De potencial imenso para ganhar o mundo em 2016, "Words" tem todas as influências musicais possíveis, uma letra maneira e consegue dar um frescor na união entre a música africana e o pop mais tradicional, e "Sorry" é aquele momento de uma faixa mais leve, logo após o agito da anterior. O estilo Kanye West de "Who" não agrada por não soar bem – a vontade de pular é muito grande.

Ainda bem que a cantora mostra todo seu bom potencial mais uma vez nas boas "Still" e "You", um momento interessante do disco para mostrar que o R&B também faz parte dessa mistura de gêneros deste álbum. A melodia um tanto sombria, "Ruin" traz um apoio vocal que cumpre bem seu papel ao criar esse clima para a faixa. Para fechar o trabalho, "Burial", um soul de alto nível, consegue emocionar e encerrar com chave de ouro.

Com algumas coisas para corrigir, como o excesso de batidas eletrônicas, Seinabo Sey conseguiu entregar um bom disco de estreia ao unir várias influências musicais em um mesmo lugar. Ela tem bom potencial para ir longe e merece atenção pelos próximos anos.

Tracklist:

1 - "Younger"
2 - "Pretend"
3 - "Poetic"
4 - "Hard Time"
5 - "Easy"
6 - "Words"
7 - "Sorry"
8 - "Who"
9 - "Still"
10 - "You"
11 - "Ruin"
12 - "Burial"

Nota: 3,5/5



Veja também:
Resenha: Julia Holter – Have You In My Wilderness
Resenha: The Arcs – Yours, Dreamily
Resenha: Silva – Júpiter
Resenha: Adele – 25
Resenha: Kurt Cobain – Montage of Heck: The Home Recordings
Resenha: Killing Joke – Pylon
Resenha: Jeff Lynne's ELO – Alone in the Universe

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais! Isso ajuda pra caramba o blog a crescer e ter a chance de produzir mais coisas bacanas.


Meu sonho é que o Music on the Run, que começou como hobby, vire uma coisa mais legal e bacana no futuro, com muito conteúdo em texto, podcast e mais coisas, porque eu acredito que dá para fazer mais e melhor com o apoio de quem lê o blog. Apoie:
Você não quer se comprometer em uma assinatura? Não tem problema, pode doar qualquer valor em reais via PagSeguro: