No YouTube

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Resenha: Giorgio Moroder – Déjà Vu


Giorgio Moroder é uma lenda da música eletrônica. Italiano de nascimento, ele fez carreira em Munique, na Alemanha, quando conseguiu dar sequência em uma promissora carreira. Ao fundar a gravadora Oasis, ele conseguiu dar rumo às ideias que tinha como produtor. E foi um estouro no meio dos anos 1970, justamente quando a dance music estava mais em alta do que nunca no mundo.

"Bad Girls", "Last Dance", "Love to Love You Baby", "No More Tears (Enough Is Enough)", "Dim All the Lights", "MacArthur Park", "Hot Stuff", "On the Radio" e single "I Feel Love", com Donna Summer, explodiram e colocaram Moroder em um patamar que dez entre dez produtores desejam: o sucesso. Mas não era apenas o sucesso puro e simples, era o sucesso com um toque pessoal – e ainda teve tempo de escrever o sucesso "Take My Breath Away", do filme Top Gun. O disco From Here to Eternity, lançado por ele em 1977, virou uma das referências da música eletrônica, sendo um dos melhores do gênero até hoje.

Depois de muito tempo sumido, ele reapareceu como cocompositor de "Giorgio by Moroder", faixa de Random Access Memories, do Daft Punk. O sucesso do álbum foi o impulso necessário para a nova geração conhecer a história musical de Moroder, que se acenou com um retorno às pistas. Dito e feito, e aqui está ele lançando Déjà Vu, 15º trabalho de estúdio, primeiro disco em 30 anos. Sem nenhum dos “ilustres” convidados do álbum, "4 U with Love" abre de maneira que todos esperavam: uma faixa instrumental, soando uma repaginada do que ele fez nos anos 1970. Não deixa de ser um bom início.

A ótima "Déjà Vu" perde muito com o péssimo vocal de Sia, uma das inúmeras cantoras ruins da nova geração que faz mais sucesso pelo visual do que por suas canções, geralmente péssimas. Sem ela, seria uma ótima canção instrumental para quem tem saudade da dance music. Com ela, virou um desperdício de tempo. Se Sia é péssima, ainda não inventaram uma palavra para descrever Charli XCX. E para completar a bagunça, "Diamonds" é muito ruim por ser um poperô de quinta categoria.

Não poderia falar a balada, e ela aparece em "Don't Let Go", com participação de Mikky Ekko, uma espécie de novo Mika. Com um teor bem pop e refrão grudento, até que essa tem potencial para conseguir algo a mais por aí, apesar de ser apenas mediana. Nem mesmo Kylie Minogue, ainda consegue imprimir certo ritmo em suas canções, conseguiu se salvar em "Right Here, Right Now". É muito fraca, cheia de clichês e completamente descartável, assim como "Tempted" e a participação ‘muito péssima’ de Matthew Koma.

Custava fazer músicas no estilo de "74 Is the New 24"? Ela é exatamente o que esperava desse retorno de Moroder: moderna, mas com um toque do ele sabe fazer de melhor – no caso, colocar o público para dançar empolgadamente na pista. Agora, ruim mesmo é a participação de Britney Spears. Não significa nada, não faz diferença, é a mesma voz tunada que vem usando nos trabalhos recentes... "Tom's Diner" é outra que a parte instrumental foi estragada por uma participação desnecessária.

Não seriam Foxes, Kelis e Marlene que viriam com algo diferente, não é mesmo? "Wildstar", "Back and Forth" e "I Do This for You" entram no exemplo anterior de base instrumental jogada no lixo com duas cantoras ruins. Daí ele coloca "La Disco", um pingo de amor próprio e à música eletrônica, justamente na última canção do disco. Ele consegue dar um final digno a um trabalho muito, muito ruim.

Me parece que Moroder estava procurando a próxima Donna Summer, o que ele não achará, porque essa geração de cantoras pop de sucesso é fraca e muito ruim – talvez só Lady Gaga se salva, mas depende muito do que ela canta. Uma pena que ele tenha feito escolhas erradas nas participações especiais, que muito mais atrapalham do que ajudam no álbum. Justamente as três canções com apenas uma base eletrônica são as melhores, mostrando que ele ainda manja muito do riscado, mas precisa escolher melhor as companhias da próxima vez.

Tracklist:

1 - "4 U with Love"
2 - "Déjà Vu" (featuring Sia)
3 - "Diamonds" (featuring Charli XCX)
4 - "Don't Let Go" (featuring Mikky Ekko)
5 - "Right Here, Right Now" (featuring Kylie Minogue)
6 - "Tempted" (featuring Matthew Koma)
7 - "74 Is the New 24"
8 - "Tom's Diner" (featuring Britney Spears)
9 - "Wildstar" (featuring Foxes)
10 - "Back and Forth" (featuring Kelis)
11 - "I Do This for You" (featuring Marlene)
12 - "La Disco"

Nota: 2/5


Veja também:
Resenha: Joe Satriani – Shockwave Supernova
Resenha: Ana Cañas – Tô Na Vida
Resenha: Wolf Alice – My Love Is Cool
Resenha: Mitchel Forman Trio - Puzzle
Resenha: Emicida – Sobre Crianças, Quadris, Pesadelos e Lições de Casa
Resenha: EZTV – Calling Out
Resenha: Eno – From The Lower Earth And Ocean