No YouTube

terça-feira, 11 de agosto de 2015

Resenha: EZTV – Calling Out


Mais uma banda da cena de Nova York, o EZTV é formado por Ezra Tenenbaum, Michael Stasiak e Shane O'Connell e está lançando o primeiro disco cheio deles, chamado Calling Out – a estreia foi um EP chamado Dust In The Sky, lançado neste ano, com duas canções. Por ser de um lugar que revelou ao mundo muita gente boa, é uma responsabilidade imensa esse trabalho.

Com aquele toque de Tame Impala que já conhecemos de longe, só que sem os efeitos na voz, "Bury Your Heart" ganha muito na parte final, quando parece uma música dos Beach Boys cheia de reverb. E sem rodeios, "Pretty Torn Up" começa dando a letra ao ser uma canção dançante e de refrão cantável em qualquer balada pelo mundo.

"The Light" trabalha mais a guitarra como elemento principal da melodia, ajudada por uma levada simples de bateria, e "Hard to Believe" soa uma continuação da anterior – a diferença está no estilo, um tanto mais leve e tranquilo, mesclando reverbs com uma solidez musical muito interessante. E tão igual as outras, que "Everything Was Changing" acaba passando despercebida ao não fazer a menor diferença no álbum.

Não muito diferente da anterior, "Soft Tension" também passaria despercebida se não fosse o refrão grudento, sua única qualidade. Ainda bem que a bonitinha "Dust in the Sky" salva um pouco a pátria, diferente da sonolenta "Blue Buzz". Aliás, a irregularidade é um pecado nesse disco. Não dá para curti-lo muito com essa variedade de músicas ruins e boas, e isso acontece em "Trampoline", uma das melhorzinhas.

O terço final do álbum tem "There Goes My Girl", "Long Way to Go" e "That's Where You Belong", sendo a primeira realmente boa (acústica, poderia ser um clássico de qualquer banda dos anos 1960), a segunda interessante e a última soa como uma reciclagem de alguma coisa que o Tame Impala deixou cair no chão depois de uma noite de bebedeira em algum bar australiano.

É bem enfadonho e irregular em algumas partes essa estreia do EZTV, que nem parece a mesma banda em alguns momentos. Uma pena, porque estava colocando uma fé imensa neles como revelação deste ano. Uma pena. Mesmo.

Tracklist:

1 - "Bury Your Heart"
2 - "Pretty Torn Up"
3 - "The Light"
4 - "Hard to Believe"
5 - "Everything Was Changing"
6 - "Soft Tension"
7 - "Dust in the Sky"
8 - "Blue Buzz"
9 - "Trampoline"
10 - "There Goes My Girl"
11 - "Long Way to Go"
12 - "That's Where You Belong"

Nota: 2/5


Veja também:
Resenha: Eno – From The Lower Earth And Ocean
Resenha: Buddy Guy – Born To Play Guitar
Resenha: Rachel Sermanni – Tied To The Moon
Resenha: The Revivalists – Men Amongst Mountains
Resenha: Albert Hammond Jr. – Momentary Masters
Resenha: Sun Kil Moon – Universal Themes
Resenha: Omar Souleyman – Bahdeni Nami