No YouTube

terça-feira, 16 de junho de 2015

Resenha: Graham Parker and The Rumour – Mystery Glue


O Graham Parker é uma lenda da música inglesa. Na ativa desde os anos 1960, ele só conseguiu o sucesso comercial nos anos 1990, década em que optou por fazer uma pausa na carreira. A virada do século serviu para recolocá-lo na estrada, sendo seu período mais criativo e com mais discos lançados. À frente do Rumor mais uma vez, ele colocou no mercado Mystery Glue, sétimo disco da parceria.

A balada folk "Transit of Venus" abre os trabalhos de maneira leve, sem pretensão de ser um sucesso imenso e agrada bastante aos ouvidos. Uma bela e simples maneira de começar um álbum, já "Going There" tem ar country e uma pegada mais pop, mais cheia de “yeah, yeah, yeah” e uma letra mais simples e tranquila.

Outra simples é "Wall of Grace", mas é bem inofensiva, bem diferente de "Swing State" – a melodia dançante em conjunto com a letra animada formam uma das boas deste álbum. O interessante da quarta faixa é como ele conseguiu colocar um toque country nela, enquanto na seguinte, "Slow News Day", soa mais um folk tradicional (aquele do século 17, o bisavô do estilo que consagrou Bob Dylan dos anos 1960).

"Railroad Spikes" poderia, tranquilamente, ter sido lançada em algum momento nos anos 1950 por sua mistura entre rockabilly e country, ritmos que fizeram sucesso imenso naquela década e são referências até hoje para quem gosta e estuda a história da música. O tom mais pop de "Flying Into London" é um tanto meloso e sem graça em alguns momentos, caindo um pouco a qualidade do disco.

Ainda bem que o panorama muda em "Pub Crawl", uma bela faixa – a pegada blues country dá um ar mais clássico e cheio de referências aos estilos mais clássicos do rock. "I've Done Bad Things" capricha mais no uso da parte instrumental no apoio, como no uso de um órgão dando base à canção. De todas, só não entendi muito bem "Fast Crowd", um reggae estranho, para falar o mínimo.

As duas últimas reservam um country eficiente ("Long Shot") e um jazz no piano e no saxofone ("My Life In Movieland"), reservando a última como o grande momento do álbum, que não é ruim, mas está longe de ser genial.

Tracklist:

1 - "Transit of Venus"
2 - "Going There"
3 - "Wall of Grace"
4 - "Swing State"
5 - "Slow News Day"
6 - "Railroad Spikes"
7 - "Flying Into London"
8 - "Pub Crawl"
9 - "I've Done Bad Things"
10 - "Fast Crowd"
11 - "Long Shot"
12 - "My Life In Movieland"

Nota: 3/5


Veja também:
Resenha: FFS [Franz Ferdinand e Sparks] – FFS
Resenha: Mr. Irish Bastard – The World, The Flesh and The Devil
Resenha: Scott Henderson - Vibe Station
Resenha: Muse – Drones
Resenha: Willie Nelson e Merle Haggard – Django And Jimmie
Resenha: Girlpool – Before The World Was Big
Resenha: Florence and The Machine – How Big, How Blue, How Beautiful