No YouTube

sexta-feira, 5 de junho de 2015

Resenha: Dafnis Prieto Sextet - Triangles And Circles


Por Gabriel Carvalho 

Dafnis Prieto, baterista nascido em Cuba e radicado em New York desde o final dos anos 1990, é considerado um dos músicos que mais causaram impacto na cena de jazz local nos últimos anos. O trabalho de Prieto inclui diversas participações como músico contratado por outros artistas e uma porção de discos como líder. O projeto em questão nesta resenha é o Dafnis Prieto Sextet, que estreou em 2008 com Taking the Soul for a Walk. Desde então, o baterista lançou álbuns em quinteto e em um trio, mantendo-se na ativa.

O retorno do sexteto após um longo hiato se dá com Triangles and Circles, recém-lançado. Ao ouvir as oito faixas do registro, o que se percebe é que toda a expectativa existente sobre o segundo álbum do sexteto é justificada: ali está uma amostra do que o jazz latino pode oferecer em termos sonoros. “Back and Forth”, que abre os trabalhos, pega as influências latinas e jazzísticas e adiciona uma pitada de ritmos quebrados. O resultado é uma canção poderosa, que conquista o ouvinte logo de cara.

A faixa-título tem um trabalho de percussão tipicamente latino no início, depois ganha um ar jazz com a adição dos demais instrumentos. Belíssimas progressões de acordes e uma banda totalmente entrosada resumem, basicamente, esta canção. “Flores”, com um quê de tango, é a mais latina das faixas e um convite à dança. Em “The Evil in You”, as coisas mudam de figura: trata-se da música mais experimental do registro, com tempos complexos e muitas quebras de ritmo – destaque para os solos de trompete e dos saxofones.

A dobradinha seguinte chama a atenção, antes de qualquer coisa, pelos nomes das faixas: “Blah Blah Blah” e “Blah Blah”. Quando as canções começam, no entanto, esse detalhe é rapidamente esquecido. Na primeira, o que se ouve é jazz em essência, envolto num clima de jam; na segunda, os ritmos latinos falam muito mais alto – há até um pouco de Brasil, que aparece sutilmente. A vibe latina continua em alta em “Two for One”, que possui doses generosas de salsa – o momento percussivo no trecho final da faixa merece destaque. Em “Opening”, que encerra o disco, os metais soam latinos; a estrutura, entretanto, é a do jazz.

Triangles and Circles é um belo disco, uma prova de que o jazz latino vai muito bem, obrigado. Demorou sete anos, mas o Dafnis Prieto Sextet justificou a demora com um material de alta qualidade, daqueles que fazem o ouvinte dedicar um bom tempo para a apreciação de todos os detalhes.

Tracklist:

1 – “Back and Forth”
2 – “Triangles and Circles”
3 – “Flores”
4 – “The Evil in You”
5 – “Blah Blah Blah”
6 – “Blah Blah”
7 – “Two for One”
8 – “Opening”

Nota: 4,5/5




Veja também:
Resenha: Odair José - Dia 16
Resenha: Holly Herndon – Platform
Resenha: Unknown Mortal Orchestra – Multi-Love
Resenha: Tal National - Zoy Zoy
Resenha: Hugo Fernandez - Cosmogram
Resenha: Blanck Mass – Dumb Flesh
Resenha: The Vaccines – English Graffiti