No YouTube

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Resenha: Blanck Mass – Dumb Flesh


Blanck Mass é o projeto de música eletrônica liderado por Benjamin John Power, um dos membros do Fuck Buttons, conhecidos por terem feito a música de abertura dos Jogos Olímpicos de Londres. Em Dumb Flesh, Power resolveu partir para algo completamente diferente, focado em sons, colagens e camadas de barulhos – quase uma mistura entre eletrônico hardcore e shoegaze – em um disco instrumental.

Um exemplo dessa mistura toda é “Loam”. Rodada no sentido contrário, a faixa dá uma agonia ao ouvinte e uma sensação de que tudo está acabando, e é interessante ver como ela foi construída para chegar nesse estágio, as camadas e, principalmente, o trabalho feito para unir tudo em uma coisa sombria e um tanto assustadora. Na seguinte, “Dead Format”, a repetição da batida e o tom mais pesado dá quase um ar heavy metal a ela.

“No Lite” soa muito como uma música progressiva dos anos 1970 misturada com Krafwerk, banda de música eletrônica alemã, só que menos (muito menos, na verdade) pesada. É uma levada tranquila, assim como “Atrophies”, que brinca mais com efeitos, colagens de elementos e outras coisas pequenas coisas, formando uma maior e mais complexa. Entre todas as canções, “Cruel Sport” é a pior pelo fato de ser a mais eletrônica de todas – e isso é muito chato.

Quase uma continuação da anterior, só que menos eletrônica, “Double Cross” tem até uma pegada pop dançante interessante. É até possível pegá-la e tocá-la separadamente das outras, o que não é possível fazer com “Lung” por entrar naquele esquema citado antes (e ainda tem uns gemidos ao longo da faixa, claramente um NSFW para festas em família). Para encerrar o álbum, eles escolheram “Detritus”, um shoegaze de nível muito alto, denso e agonizante.

Confesso que não é o tipo de música que ouço no dia-a-dia, mas não deixa de ser interessante essa incursão de Blanck Mass em seu terceiro trabalho de estúdio. É um tipo de música interessante de se ouvir para quem gosta desse trabalho específico de colagem e misturas musicais.

Tracklist:

1 - “Loam”
2 - “Dead Format”
3 - “No Lite”
4 - “Atrophies”
5 - “Cruel Sport”
6 - “Double Cross”
7 - “Lung”
8 - “Detritus”

Nota: 3,5/5


Veja também:
Resenha: The Vaccines – English Graffiti
Resenha: Fool’s Gold – Flying Lessons
Resenha: Hot Chip – Why Make Sense?
Resenha: Paul Weller – Saturns Pattern
Resenha: Royal Thunder - Crooked Doors
Resenha: Brandon Flowers – The Desired Effect
Resenha: Chris Lightcap's Bigmouth - Epicenter