No YouTube

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Resenha: Royal Thunder - Crooked Doors


Por Giovanni Cabral

Parece haver uma aura mística muito forte na nova cena roqueira de Atlanta e Savannah, nos Estados Unidos. Bandas como Mastodon, Baroness, Kylesa e Black Tust - independente da importância e relevância delas – se aproveitam do clima úmido da região pantanosa do sul norte-americano para unir o doom metal, o hardcore e o rock alternativo ao típico southern rock local. Outra banda que é também um exemplo prolífico dessa cena é o Royal Thunder.

Nascido em 2006 e inicialmente instrumental, o grupo demorou um bom tempo para encontrar sua voz e cara. E essa veio sob a figura de Mlny Parsonz, uma baixista conhecida na região, mas que só tinha experiência como vocalista urrando seus pulmões para fora em bandas de death metal e grindcore até então. Após um período de testes, Mlny assume também o vocal e um contrato com a Relapse Records é assinado para o lançamento de um EP, em 2010, e o debut surgiria dois anos depois.

A sonoridade não apresenta nada de muito novo: é como uma banda de hard rock dos anos 70, selvagem e sombria, mas trazendo alguns elementos mais modernos – algo comum nas bandas da cena citada anteriormente –, principalmente utilizando o contraste do metal psicodélico com a bela e forte voz de Parsonz. O que quase levou tudo as ruínas foi o divórcio de Mlny com o guitarrista Josh Weaver, mas felizmente (para os fãs), eles focaram no lado profissional e não diluíram a banda.

Se formos comparar com o álbum de estreia, há uma diversidade maior e um clima mais suave em Crooked Doors, porém a fórmula em si não tem nenhuma mudança drástica. A abertura com "Time Machine" passeia por um clima tranquilo até explodir em um refrão agressivo, sendo o retrato do que é o disco. A voz de Mlny me agrada bastante em "Wake Up", e seu ápice parece ficar em "The Bear I" e "The Bear II". A primeira sendo uma bela balada blues e a segunda traz atmosferas densas e tristes, em que sussurros são embalados por pianos e violinos.

Tracklist:

1 - Time Machine
2 - Forget You
3 - Wake Up
4 - Floor
5 - The Line
6 - Forgive Me, Karma
7 – Glow
8 - Ear On The Fool
9 - One Day
10 - The Bear I
11 - The Bear II

Nota: 4/5



Veja também:
Resenha: Brandon Flowers – The Desired Effect
Resenha: Chris Lightcap's Bigmouth - Epicenter
Resenha: Macaco Bong – Macumba Afrocimética
Resenha: Faith No More – Sol Invictus
Resenha: Best Coast – California Nights
Resenha: Jesse Cook – One World
Resenha: METZ – METZ II