No YouTube

segunda-feira, 25 de maio de 2015

Resenha: Hot Chip – Why Make Sense?


Nem sempre se conhece uma banda ouvindo um disco ou uma música antes. No meu caso em particular, só fui ouvir o Hot Chip pela primeira vez no finado Tim Festival de 2007, quando, além dele, tocaram Arctic Monkeys, The Killers, Juliette and the Licks, Björk e o Spank Rock. Apesar de todos os problemas na apresentação, gostei bastante do trabalho deles e fui atrás para ouvir mais coisas.

Com cinco discos lançados, sendo o primeiro em 2004, a banda liderada por Alexis Taylor aposta no indie dançante que tomou conta das pistas nos últimos cinco anos, especialmente, principalmente pelo enorme sucesso do LCD Soundsystem. Há três anos sem lançar um disco de inéditas, o Hot Chip lançou na última semana Why Make Sense?.

Um belo exemplo do tipo de música feita pelo Hot Chip desde sempre (ou quase) é "Huarache Lights", abertura do trabalho. Samplers e inúmeros efeitos e distorções fazem parte da faixa que não tem o menor medo de ser feliz. E assim como a anterior, há um toque hip-hop em "Love Is the Future" – ambas usam a mesma fórmula e seguem sem problemas.

Com um ar futurista, "Cry for You" é a primeira em que a voz de Taylor aparece de fato, lembrando muito antigas canções famosas do grupo, já "Started Right" se aproxima bastante do soul, mas mantém uma distância segura por usar a abusar dos efeitos já conhecidos. A balada "White Wine and Fried Chicken", por incrível que possa parecer, é bonita e agrada por sua leveza.

Se você não se distrair por alguns segundos, até pensa que "Dark Night" fez parte de algum disco antes desse, porque a semelhança dela com outras canções do grupo é imensa. Talvez a diferença fique na menor quantidade de efeitos, deixando a letra mais direta ao ouvinte. A animada e bobinha "Easy to Get" funciona bem... E só isso mesmo. Não sei se foi de propósito o caso de a melhor música do álbum ficar no final: "Need You Now" é primorosa, animada e mistura elementos interessantes da música eletrônica, sendo um ótimo exemplo de como fazer música desse tipo.

A balada "So Much Further to Go" é o sinal do fim com a faixa-título, a mais pesada de todas e mostrando certo teor épico, encerrando de vez. Para quem gosta, esse trabalho é delicioso e muito animado, mostrando que é possível fazer um indie dançante sem soar repetitivo e chato. Não é de graça que o Hot Chip virou a referência para a nova geração.

Tracklist:

1 - "Huarache Lights"
2 - "Love Is the Future"
3 - "Cry for You"
4 - "Started Right"
5 - "White Wine and Fried Chicken"
6 - "Dark Night"
7 - "Easy to Get"
8 - "Need You Now"
9 - "So Much Further to Go"
10 - "Why Make Sense?"

Nota: 4/5


Veja também:
Resenha: Paul Weller – Saturns Pattern
Resenha: Royal Thunder - Crooked Doors
Resenha: Brandon Flowers – The Desired Effect
Resenha: Chris Lightcap's Bigmouth - Epicenter
Resenha: Macaco Bong – Macumba Afrocimética
Resenha: Faith No More – Sol Invictus
Resenha: Best Coast – California Nights