No YouTube

terça-feira, 26 de maio de 2015

Resenha: Fool’s Gold – Flying Lessons


Projeto liderado por Luke Top (vocal/baixo) e Lewis Pesacov (guitarra), o Fool’s Gold coloca elementos gêneros musicais, como o pop e o krautrock, com ritmos africanos, brasileiros e do Oriente Médio. Com dois discos de estúdio no mercado, eles lançaram recentemente Flying Lessons, a continuação de sua curta, mas competente discografia.

A levada leve de "I'm In Love" aponta para uma coisa: a banda gosta de trabalhar com melodias simples, mas complementando ao poucos. O uso de percussão e voz distorcida são dois exemplos claros de como eles gostam de unir coisas completamente diferentes em uma canção. Com uma introdução que nenhuma banda indie colocaria defeito, "Lady of the Lake" é competente em segurar o ouvinte por quase cinco minutos.

"Break the Cycle" traz os ritmos africanos pela primeira vez ao ouvidos, e isso dá uma sensação muito boa, dando ao álbum sua melhor canção – a parte instrumental é um absurdo de boa. Lembrando muito os Paralamas do Sucesso em “Alagados”, eles dão um toque de reggae na animada "Another Sun", mas "Wildflower, música seguinte," é uma balada apenas mais ou menos.

Outra com um quê de é a nada empolgante e melosa "Devotion", ainda bem que a falta de qualidade compensa na ótima "Don't Be Like Them", uma balada delicada que mescla o refrão falado com outro refrão na guitarra, cria-se uma atmosfera fantástica para quem ouve. "Flying Lessons" dá nome ao disco e ainda bem que escolheram essa canção para isso, porque é bem boa também. Uma sequência de boas faixas é sempre bem-vinda.

"Ta'alumah" não é tão empolgante assim e seria um final abaixo do esperado, porém “Run With Me” cumpre melhor esse papel de um disco que não é genial; é competente naquilo que se propõe, e isso já basta nesse caso em especial.

Tracklist:

1 - "I'm In Love"
2 - "Lady of the Lake"
3 - "Break the Cycle"
4 - "Another Sun"
5 - "Wildflower"
6 - "Devotion"
7 - "Don't Be Like Them"
8 - "Flying Lessons"
9 - "Ta'alumah"
10 - “Run With Me”

Nota: 3/5


Veja também:
Resenha: Hot Chip – Why Make Sense?
Resenha: Paul Weller – Saturns Pattern
Resenha: Royal Thunder - Crooked Doors
Resenha: Brandon Flowers – The Desired Effect
Resenha: Chris Lightcap's Bigmouth - Epicenter
Resenha: Macaco Bong – Macumba Afrocimética
Resenha: Faith No More – Sol Invictus