No YouTube

quarta-feira, 15 de abril de 2015

Resenha: Guadalupe Plata – Guadalupe Plata 2015


Uma banda de blues rock é sempre bem-vinda. Uma banda de blues rock em pleno 2015 não deixa de ser uma surpresa. Agora, uma banda de blues rock da Andaluzia em pleno 2015 é ainda mais espantoso. É o caso do trio Guadalupe Plata, formado pelo guitarrista e vocalista Pedro de Dios Barceló, o baterista Carlos Jimena e o baixista Paco Luis Martos.

Como muitas bandas por aí, eles começaram lançando EPs – o primeiro disco cheio só veio em 2011. Por terem tocado muita coisa psicodélica antes, há uma clara influência do gênero em boa parte das canções – como no início do disco com "Tormenta", que começa como um blues, mas logo cai no improviso enquanto o vocal fraseado vai entrando em momentos esporádicos.

"Huele A Rata" usa mais o blues como base, sendo a guitarra a principal base da canção que até pende um pouco para o lado dançante. E com seu teor country blues, "Calle 24" é muito boa e, caso fosse cantada em inglês, seria motivo de elogios por aí. Quase um country folk, "Hoy Como Perro" serve para abrir o caminho da curta "Serpientes Negras" – essa com um quê mais de ritmos árabes, algo muito comum na Espanha.

Em "Filo De Navaja" há uma aproximação com o jazz, algo que não deixa de surpreender positivamente. Aliás, faz muita falta no mainstream bandas assim, que peguem esses dois ritmos mais antigos, blues e jazz, e façam uma junção disso. Mais agitada, "Mecha Corta" soa muito como Black Keys, por exemplo, que trabalha com melodias mais básicas.

A delicadeza instrumental de "Agua Turbia" é muito comovente por conter um clima de melancolia que poucas bandas conseguiram passar tão bem, e "Hueso de Gato Negro" consegue trazer de volta o blues mais de raiz com seu improviso instrumental e sua letra simples. Outro momento instrumental acima da média é em "El Paso Del Gato", mostrando que o Guadalupe Plata é absurdamente afiado. O disco chega ao fim com "Tengo el Diablo en el Cuerpo", uma bela homenagem ao blues.

Uma banda espanhola cantando blues... E não é que deu certo? E não é só a questão de dar certo, é muito bom. Eles conseguem equilibrar bem os momentos instrumentais com letras com vocal – bom para o tipo de som que eles fazem. Ouvi e não me arrependi.

Tracklist:

1 – "Tormenta"
2 – "Huele A Rata"
3 – "Calle 24"
4 – "Hoy Como Perro"
5 – "Serpientes Negras"
6 – "Filo De Navaja"
7 – "Mecha Corta"
8 – "Agua Turbia"
9 – "Hueso de Gato Negro"
10 – "El Paso Del Gato"
11 – "Tengo el Diablo en el Cuerpo"

Nota: 4/5


Veja também:
Resenha: Bixiga 70 – Bixiga 70 III
Resenha: Toro Y Moi – What For?
Resenha: Waxahatchee – Ivy Tripp
Resenha: Brian Wilson - No Pier Pressure
Resenha: Frank Catalano e Jimmy Chamberlin – God’s Gonna Cut You Down
Resenha: Wado – 1977
Resenha: Kíla – Suas Síos

Siga o blog no Twitter, Facebook, Instagram, no G+, no no Tumblr e no YouTube

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!