No YouTube

terça-feira, 24 de março de 2015

Resenha: Courtney Barnett – Sometimes I Sit And Think, And Sometimes I Just Sit


Até o final de 2014, Courtney Barnett era uma completa desconhecida para mim. Mas ao acompanhar a cantora e guitarrista mais de perto – leia-se acompanhando pelos sites e revistas indies que também passaram a ficar de olho nela –, a esperança de um bom disco foi aumentando com o passar dos dias. E quando Sometimes I Sit, And Think And Sometimes I Just Sit foi anunciado, confesso que a ansiedade aumentou um pouco.

Antes mesmo de começar o disco, um aviso: se você gosta de St. Vincent tem grandes chances de se encantar com Barnett. E o início com "Elevator Operator", com sua pegada pop com a guitarra alta é um belíssimo cartão de vistas aliado com sua parte final um tanto grudenta e bem feita. Com um clima meio Patti Smith, "Pedestrian at Best" usa e abusa dos recursos que consagraram a chamada rainha do rock.

O refrão instrumental de "An Illustration of Loneliness (Sleepless in NY)" libera Barnett para improvisar com a guitarra e é possível vislumbra essa faixa como uma das melhores ao vivo, assim como "Small Poppies". Com mais de sete minutos, é possível encontrar tons psicodélicos, experimentais e de puro improviso em uma das melhores canções do ano até aqui. "Depreston" é uma balada simples e competente, e isso basta para rechear o ótimo trabalho.

Pode até parecer uma comparação um tanto estranha, mas eu imagino Mallu Magalhães cantando "Aqua Profunda!". Ou seja, é uma música que pode ter um acesso muito grande do público que gosta de um pop um tantinho mais pesado. Outra grudenta e de nível altíssimo é "Dead Fox", com seu ritmo dançante que vai crescendo até chegar ao refrão, esse imbatível para seguir por dias a fio na cabeça de quem ouvir.

Mais uma que tem ar punk, "Nobody Really Cares if You Don't Go to the Party" convida o ouvinte para dançar enquanto o improviso na ponte entre dois versos é recheado com um ótimo solo de guitarra, diferente de "Debbie Downer", uma balada bem feita e certeira. Primeira faixa mais densa, "Kim's Caravan" cria toda uma atmosfera para deixar clima realmente tenso – parece mesmo trilha de filme de terror –, e "Boxing Day Blues" encerra o álbum com uma balada leve.

Sinceramente, não esperava que esse disco da Courtney Barnett fosse tão bom. Por conhecer pouco a cantora, eu fiquei com um pé atrás. Mas isso acabou quando, ao final de Sometimes I Sit, And Think And Sometimes I Just Sit, me senti arrebatado e espantado, ao mesmo tempo. Espero muito que seja lembrado com um dos bons trabalhos deste ano.

Tracklist:

1 - "Elevator Operator"
2 - "Pedestrian at Best"
3 - "An Illustration of Loneliness (Sleepless in NY)"
4 - "Small Poppies"
5 - "Depreston"
6 - "Aqua Profunda!"
7 - "Dead Fox"
8 - "Nobody Really Cares if You Don't Go to the Party"
9 - "Debbie Downer"
10 - "Kim's Caravan"
11 - "Boxing Day Blues"

Nota: 4,5/5


Veja também:
Resenha: Tobias Jesso Jr. – Goon
Resenha: Marina and the Diamonds – Froot
Resenha: Modest Mouse – Strangers To Ourselves
Resenha: The Reverend Peyton’s Big Damn Band – So Delicious
Resenha: Kendrick Lamar - To Pimp a Butterfly
Resenha: Black Star Riders - The Killer Instinct
Resenha: Dead Fish – Vitória

Siga o blog no Twitter, Facebook, Instagram, no G+, no no Tumblr e no YouTube

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!