No YouTube

terça-feira, 9 de setembro de 2014

Resenha: Interpol – El Pintor


O Interpol é uma dessas bandas que descobri no MySpace (!) no início dos anos 2000 e vem me acompanhando desde então. Se os três primeiros discos da banda são excelentes, o último foi apenas regular. Depois da carreira solo de Paul Banks, eles lançam El Pintor, quinto disco de estúdio.

Enfim, depois de alguns anos, o Interpol lança uma boa música. "All the Rage Back Home" tem os elementos que ajudaram no sucesso deles no passado e ainda tem certo equilíbrio – não tem a atmosfera tão pesada como outras, mas também não é bobo-alegre. Fora letra e melodia, a guitarra de "My Desire" chama muito atenção por trazer o que há de melhor neles: uma melancolia que poucos entendem.

Condensada em pouco mais de três minutos, "Anywhere" poderia estar no primeiro ou no segundo disco do grupo. A levada e o estilo são bem semelhantes, enquanto "Same Town, New Story" é mais sombria, principalmente no belo refrão. Encerrando a primeira metade, a apenas regular "My Blue Supreme" mostra que o Interpol ainda tem suas falhas em alguns momentos.

Uma das vantagens em ser um trio, é que os instrumentos do grupo ficam mais nítidos na audição, como em "Everything Is Wrong". A linha de baixo é absurda de tão técnica, fora a boa letra. É a retomada de um bom momento. Antes mesmo de ouvir "Breaker 1", a certeza que veio na cabeça: “uma ‘Breaker 2’ virá em breve”. Assim como uma das melhores canções deles, essa nova faixa é exatamente o que espero do Interpol: é soberba.

"Ancient Ways" foi escolhido como primeiro single. Se antes não deu para entender bem a escolha, ela fica mais clara no conjunto da obra mesmo ela sendo um pouco abaixo dos melhores momentos, assim como "Tidal Wave", que também não está no mesmo nível de outras. Ao encerrar com a boa "Twice as Hard", o recado, se existe um, fica claro: voltamos.

Depois do último disco, mais acessível e com o nome da banda, o Interpol voltou ao que esperamos dele: canções sombrias, letras ótimas e melodias acima da média. Mesmo com um deslize aqui e ali, o resultado é muito bom. Quatro anos depois de um álbum apenas mediano, eles voltaram com tudo.

Tracklist:

1 - "All the Rage Back Home"
2 - "My Desire"
3 - "Anywhere"
4 - "Same Town, New Story"
5 - "My Blue Supreme"
6 - "Everything Is Wrong"
7 - "Breaker 1"
8 - "Ancient Ways"
9 - "Tidal Wave"
10 - "Twice as Hard"

Nota: 4/5



Veja também:
4 em 1: Ariana Grande, Maroon 5, Tiago Bettencourt e Pennywise
Resenha: Judas Priest - Redeemer of Souls
Resenha: Banda do Mar – Banda do Mar
Resenha: Rodrigo y Gabriela – 9 Dead Alive
4 em 1: Leo Cavalcanti, Juçara Marçal, Ludov e Jonnata Doll e os Garotos Solventes
Resenha: J Mascis – Tied to a Star




Siga o blog no Twitter, Facebook, Instagram, no G+ e no YouTube

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!