Mais no blog:

quarta-feira, 7 de julho de 2021

Resenha: Danny Elfman - Big Mess


Muita gente conhece Danny Elfman pelo trabalho em trilhas sonoras. Também, não era de se esperar menos. Ao longo dos últimos 35 anos, ele esteve presente em alguns dos filmes mais importantes do período dando o ritmo necessário para que diretores e roteiristas pudessem contar as respectivas histórias. Mas a carreira dele é um tanto mais antiga do que isso.

No final dos anos 1970, ele fez parte do Oingo Boingo, um das melhores e mais instigantes bandas do rock alternativo de Los Angeles. A banda durou até 1995, quando Elfman partiu em definitivo para a carreira de compositor no cinema. Talvez tenha sido a pandemia ou mesmo a vontade em fazer um disco com canções guardadas há algum tempo, mas agora é fato: o compositor retorna no disco duplo "Big Mess", primeiro trabalho solo desde 1984.

Veja também:
Resenha: Bobby Gillespie e Jehnny Beth - Utopian Ashes
Resenha: King Gizzard and the Lizard Wizard - Butterfly 3000
Resenha: Kings of Convenience - Peace of Me
Resenha: Garbage - No Gods No Masters
Duas resenhas: Japanese Breakfast e Crowded House
Duas resenhas: Wolf Alice e Liz Phair

Estou no Twitter e no Instagram. Ouça o podcast, compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Um talento inegável de Elfman é conseguir construir boas melodias para compor as canções, um trabalho cada vez mais instigante à medida que envelhece. "Sorry", primeira música do trabalho, é um bom exemplo disso e em como ele consegue criar o peso necessário para criar o clima desejado -- no caso, muita percussão e vocais de apoio para deixar uma atmosfera de terror.

Aliás, terror é um dos temas do trabalho, já que algumas das canções são explicitamente sobre como era viver sob o governo de Donald Trump. Elfman usa muita guitarra distorcida, efeitos, vocal de apoio femininos e masculinos para colocar o ouvinte na história que deseja contar. É de tom muito álbum experimental, quase como uma obra de arte cubista em que o significado vai tomando forma gradualmente.

Sem dúvida alguma, o talento está presente nesse trabalho. "Big Mess" mostra como é possível pegar mais de 40 anos de experiência em música e usá-la de todos os jeitos. Tem de tudo um pouco por aqui: de arranjos leves a pesados e coisas muito experimentais até elementos mais simples. É uma viagem ao longo da carreira do compositor, porque é possível ouvir, caso você já tenha ouvido a discografia dele, de onde ele tirou essas referência e conseguiu transformar em algo único.

Definir Danny Elfman é como querer que a água do oceano para de chegar na praia. É impossível. E "Big Mess", com seus 72 minutos, chega para mostrar que a cabeça dele segue fervilhando com novas ideias e novas histórias para contar em forma de música. Que sorte a nossa.

Tracklist:

1 - "Sorry"
2 - "True"
3 - "In Time"
4 - "Everybody Loves You"
5 - "Dance with the Lemurs"
6 - "Serious Ground"
7 - "Choose Your Side"
8 - "We Belong"
9 - "Happy"
10 - "Just a Human"
11 - "Devil Take Away"
12 - "Love in the Time of COVID"
13 - "Native Intelligence"
14 - "Better Times"
15 - "Cruel Compensation"
16 - "Kick Me"
17 - "Get Over It"
18 - "Insects"

Avaliação: ótimo

Continue no blog: