Mais no blog:

terça-feira, 11 de maio de 2021

Resenha: Weezer - Van Weezer


O Weezer vem lançando discos como quem compra chocolate: a maioria das vezes é unicamente para matar a vontade e só. Contando com "Van Weezer", disponibilizado recentemente, são oito álbuns de estúdio em sete anos. É muita coisa, e isso pesa quando nem sempre o repertório escolhido é dos melhores entre os álbuns de inéditas e o de covers. Mas dá para sentir que a banda se diverte muito fazendo esses trabalhos, o que é uma boa notícia.

O álbum passado, chamado "OK Human" e lançado em fevereiro, quase não tinha nenhuma guitarra ou um riff marcante. No novo, inspirados pelo Van Halen, Rivers Cuomo e seus amigos colocam o instrumento em todos os lugares possíveis e imagináveis. Sabe quando um adolescente aprende a tocar um instrumento e quer sair tocando? É quase isso.

Veja também:
Duas resenhas: girl in red e Marianne Faithfull with Warren Ellis
Duas resenhas: Guided By Voices e Royal Blood
Resenha: Teenage Fanclub - Endless Arcade
Duas resenhas: Tom Jones e Peter Frampton
Duas resenhas: The Offspring e Greta Van Fleet
Resenha: Dinosaur Jr. - Sweep It Into Space

Estou no Twitter e no Instagram. Ouça o podcast, compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Uma coisa que todo mundo precisa admitir: boas ou ruins, as letras do Weezer são grudentas de um jeito que inexplicável. Quando você menos percebe, após a primeira audição de "Van Weezer", já está cantando o refrão ou até mesmo uma boa parte da música. Entre riffs e solos de guitarra feitos para conquistar, a banda consegue fazer um trabalho para lá de divertido e cheio de referências ao metal (Black Sabbath), hard rock (Van Halen), glam metal (Mötley Crüe) e outras músicas dos gêneros em pouco mais de meia hora de duração.

Entre os destaques, estão "Hero", "The End of the Game" e "Blue Dream", canções com bastante potencial nas apresentações ao vivo nos países com vacinação em massa -- alô, Joe Biden. Não são canções geniais como algumas da discografia, mas funcionam bem no disco e tem enorme potencial para funcionar nos shows também.

O Weezer tem uma discografia irritantemente irregular nos últimos anos. De trabalhos abaixo do esperado a discos divertidos como "Van Weezer", a banda mostra que pode subir ou descer muito rápido e, mesmo assim, ainda despertar a curiosidade para saber o que virá no próximo. Dessa vez, eles acertaram.

Tracklist:

1 - "Hero"
2 - "All the Good Ones"
3 - "The End of the Game"
4 - "I Need Some of That"
5 - "Beginning of the End"
6 - "Blue Dream"
7 - "1 More Hit"
8 - "Sheila Can Do It"
9 - "She Needs Me"
10 - "Precious Metal Girl"

Avaliação: bom

Continue no blog: