Mais no blog:

terça-feira, 2 de fevereiro de 2021

Resenha: Weezer - OK Human


O Weezer lançou muitos álbuns recentemente. De 2014 para cá, foram sete trabalhos nos últimos sete anos. Um ritmo alucinante que aumentou a quantidade de gravações da banda, mas, ao mesmo tempo, também fez fãs e críticos repudiarem os discos mais recentes e a questionarem com mais veemência a qualidade do material. Na última sexta-feira (29), o grupo lançou oficialmente "OK Human", o 14º álbum da carreira.

Não dá para dizer que o disco começa mal, já que os arranjos e a letra de "All My Favorite Songs" são muito bonitos e logo qualquer fã já começa a cantar junto. Aliás, se existe um mérito nesse trabalho é justamente esse: o Weezer conseguiu unir os arranjos da orquestra com as letras bem ao estilo deles, casos de "Aloo Gobi" (uma música de Rivers Cuomo para ele mesmo) e "Grapes of Wrath" (sobre como é escrever uma música inspiradora).

Veja também:
Duas resenhas: Urban Village e Still Corners
Resenha: Kiwi Jr. - Cooler Returns
Resenha: trilha sonora de Soul
Duas resenhas: Passenger e Kate Davis
Duas resenhas: Sleaford Mods e Shame
Duas resenhas: Buck Meek e Oceanator

O problema é que o álbum não consegue ultrapassar a linha a ponto de o Weezer conseguir surpreender. Talvez não seja esse o ponto, talvez eles não queiram surpreender ninguém e apenas querem ficar nesse repertório para sempre, fazendo uma ou outra pequena intervenção em algumas coisas. O que poderia ser algo bom acabou gerando falta de consistência no material. A questão não está em lançar apenas trabalhos geniais, mas está em: se a intenção é fazer a mesma coisa, ou quase isso, é melhor que seja bom. Do contrário, essa irregularidade é ruim. Discordo de qualquer comentário sobre o Weezer ter "morrido". Não morreu, claro. Outra questão é: como sobreviver, afinal?

O resto do repertório até tem uma ou outra canção bonitinha. E só. Nada mais chama atenção com um grande refrão, um grande arranjo ou tudo isso combinado. Falta aquele momento musical para nos deixar boquiabertos. Não tem.

Em 2021, o Weezer continua sendo uma das grandes bandas dos anos 1990. E talvez esse seja o problema. Parece que eles pouco avançaram, de maneira geral, em alguns discos. Esperar algo diferente deles é ter quase certeza de decepção. O que não dá mais é ouvir mais um trabalho inconsistente e esquecível por parte do Weezer.

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!

Estou no Twitter e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Tracklist:

1 - "All My Favorite Songs"
2 - "Aloo Gobi"
3 - "Grapes of Wrath"
4 - "Numbers"
5 - "Playing My Piano"
6 - "Mirror Image"
7 - "Screens"
8 - "Bird with a Broken Wing"
9 - "Dead Roses"
10 - "Everything Happens for a Reason"
11 - "Here Comes the Rain"
12 - "La Brea Tar Pits"

Avaliação: regular

Continue no blog: