Mais no blog:

terça-feira, 9 de fevereiro de 2021

Resenha: Foo Fighters - Medicine At Midnight


O Foo Fighters é uma das bandas mais famosas do mundo, e isso é fruto de um longo e intenso trabalho de Dave Grohl. Líder, dono e responsável por tudo, ele conseguiu transformar o grupo em referência e conseguiu para si o título de "o cara mais legal do rock". Mas, como aconteceu na primeira década, a banda não vem conseguindo manter a regularidade nos trabalhos de estúdio. Após o bem-sucedido "Wasting Light" (2011), o melhor de toda discografia, nenhum dos seguintes conseguiu impressionar da mesma forma. E isso pesa, já que duvido que você lembre de alguma música dos últimos dois trabalhos que realmente tenha impactado a ponto de ser.

"Medicine At Midnight" começa vendendo uma mensagem de esperança em "Making a Fire" e, mais importante, Grohl optou por uma abordagem mais pop rock e menos pesada do que nos outros trabalhos. Os arranjos, o coro na ponte entre os versos e a tentativa de fazer uma canção mais grudenta mostra que a intenção era fazer algo mais solar e menos pesado. Mas ainda tem seus momentos enigmáticos, como em "Shame Shame", o segundo single do trabalho.

Veja também:
Duas resenhas: Lia Ices e Rats On Rafts
Resenha: trilha sonora de Mulher-Maravilha 1984
Resenha: Weezer - OK Human
Duas resenhas: Urban Village e Still Corners
Resenha: Kiwi Jr. - Cooler Returns
Resenha: trilha sonora de Soul

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!

Estou no Twitter e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Até que o peso retorna um pouco (só um pouquinho) em "Cloudspotter", já na balada "Waiting on a War" Grohl consegue fazer da letra uma mensagem de esperança para a nova geração ao usar seu próprio exemplo. É um dos grandes momentos do trabalho ao conseguir mostrar o talento dele como compositor. É uma canção para ficar de olho. Depois a faixa-título é uma balada mais melancólica, mas também carrega aquela ponta de esperança.

O Foo Fighters que qualquer fã espera só aparece na sexta música. "No Son of Mine" é potente, tem guitarras altas e Grohl canta como se fosse a última coisa a ser feita na vida. O que será uma boa nas apresentações ao vivo (assim que possível, claro), assim como a animadinha "Holding Poison". O disco encerra com mais uma balada, "Chasing Birds", e com a grudenta "Love Dies Young".

Feito durante a pandemia, o novo álbum do Foo Fighters não soa apressado como eu cheguei a imaginar, mas está longe dos grandes momentos da banda. Ao longo dos anos, Grohl conseguiu empilhar hits mesmo em trabalhos bons ou regulares, agora nem isso tem conseguido. Ao lançar outro álbum apenas bom, a banda vive cada vez mais do passado. E isso já começa a incomodar.

Tracklist:

1 - "Making a Fire"
2 - "Shame Shame"
3 - "Cloudspotter"
4 - "Waiting on a War"
5 - "Medicine at Midnight"
6 - "No Son of Mine"
7 - "Holding Poison"
8 - "Chasing Birds"
9 - "Love Dies Young"

Avaliação: bom

Continue no blog: