Mais no blog:

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2021

Resenha: Arlo Parks - Collapsed in Sunbeams


A carreira de Arlo Parks é dessas que só os tempos atuais podem explicar. Com apens dois EPs lançados, a cantora virou um desses fenômenos imediatos e rapidamente conseguiu chamar atenção dos sites especializados e dos programas de TV. Com tudo isso, três anos depois do lançamento da primeira música, ela solta o primeiro álbum cheio da carreira. Um passo muito importante, ainda que seja lançado pela gravadora independente Transgressive.

"Collapsed in Sunbeams" mostra como Parks é o reflexo da imigração em busca de uma vida melhor. Ela tem ascendência nigeriana, chadiana, francesa e é nascida na Inglaterra. Esse mistura pessoal a transforma em um liquidificador de influências musicais pronta para fazer disso uma experiência musical muito rica e única. O álbum começa com a faixa-título, uma poesia com menos de um minuto muito tocante (e olha que nem de poesia eu gosto).

Veja também:
Resenha: Foo Fighters - Medicine At Midnight
Duas resenhas: Lia Ices e Rats On Rafts
Resenha: trilha sonora de Mulher-Maravilha 1984
Resenha: Weezer - OK Human
Duas resenhas: Urban Village e Still Corners
Resenha: Kiwi Jr. - Cooler Returns

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!

Estou no Twitter e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

O disco começa para valer em "Hurt", em que timbres e batidas usadas para compor o arranjo funciona perfeitamente. E ainda tem a letra que, como ela mesma prometeu, fala sobre assuntos pessoais de uma maneira bastante universal. Se você ouvir, é bem possível que consiga se identificar em alguns momentos. Mas, talvez, o grande momento do álbum seja "Too Good", faixa em que o Fugges veio automaticamente na minha cabeça. Essa música é pura Lauryn Hill.

Parks pode ter muitas referências, mas é importante também ganhar elogios por não esconder seu apreço pelo pop, seja aquela música gostosa de ouvir e ainda com uma mensagem positiva ("Hope"), seja aquela mais melancólica com uma história triste ("Caroline"). E aqui é possível perceber como ela é realmente talentosa, justamente por conseguir ir de um lado para o outro com bastante facilidade e muita competência.

O disco também abre seus momentos para baladas no violão ("Black Dog"), um pop de refrão grudento ("Green Eyes", "Just Go" e "Portra 400"), um lado um pouco mais sombrio e pessimista ("For Violet" e "Eugene") e um lado um pouco mais dançante ("Bluish"). Enfim, Parks consegue unir o melhor dos mundos das influências com bastante originalidade.

O primeiro disco solo de Arlo Parks é uma ótima surpresa por ela conseguir apresentar um trabalho consistente do início ao fim. Dar play nesse álbum é ter a certeza de ouvi-lo até o final de tão bom que é. Estou completamente dentro do hype de Arlo Parks.

Tracklist:

1 - "Collapsed in Sunbeams"
2 - "Hurt"
3 - "Too Good"
4 - "Hope"
5 - "Caroline"
6 - "Black Dog"
7 - "Green Eyes"
8 - "Just Go"
9 - "For Violet"
10 - "Eugene"
11 - "Bluish"
12 - "Portra 400"

Avaliação: ótimo

Continue no blog: