No YouTube

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Resenha: Noel Gallagher's High Flying Birds – Who Built the Moon?


É o terceiro disco de estúdio do ex-membro do Oasis

A carreira solo de Noel Gallagher vai muito bem, obrigado. Diferente de Liam, que perdeu uns bons cinco anos ao se perder completamente, o irmão mais velho não se fez de rogado ao se estabilizar rapidamente. Com boas composições, os dois primeiros discos – Noel Gallagher's High Flying Birds (2011) e Chasing Yesterday (2015) – mostraram alguém pronto para entrar de cabeça em uma nova fase da vida. Mas, pelo menos por aqui, existia o receio de Noel não conseguir sair do mais do mesmo e ficar preso em uma eterna roda de canções parecidas.

Pois não é o que acontece em Who Built the Moon?. "Fort Knox", faixa de abertura, é diferente de tudo que ele já havia feito em seus anos de Oasis e nos primeiros discos solos. Quem diria que Noel tem uma veia psicodélica? Não dá para não ficar surpreso com esse começo – e acredito que muito fã torceu o nariz. Como bom compositor de singles que é, Noel conseguiu mais uma ótima canção: "Holy Mountain" é animada, o refrão é bom para cantar junto e o arranjo é daqueles para fazer o público pular junto o tempo inteiro nos shows.

Veja também:
Resenha: Morrissey – Low in High School
Resenha: Julien Baker – Turn Out the Light
Resenha: Weezer – Pacific Daydream
Resenha: St. Vincent – Masseduction
Resenha: Beck – Colors
Resenha: Courtney Barnett e Kurt Vile – Lotta Sea Lice
Resenha: Tim Bernardes – Recomeçar


O vocal feminino estilo grupos vocais dos anos 1960 em "Keep on Reaching" dá todo charme de uma faixa que quer ser épica do início ao fim. E até consegue, enquanto "It's a Beautiful World" muda completamente de ritmo ao ser uma faixa muito mais melancólica e com um refrão que só Noel poderia compor. E "She Taught Me How to Fly" parece ter sido tirada de algum lugar do início dos anos 1980, porque caberia perfeitamente na voz de Debbie Harry.

"Be Careful What You Wish For" quebra o ritmo mais uma vez com o cantor dando um recado às pessoas sobre ter cuidado com o que desejar para si. Mais obscura do que as outras, não é das melhores composições recentes, muito diferente de "Black & White Sunshine" – essa é a mais próxima de qualquer coisa que ele já havia feito na carreira, muito por conta de sua pegada mais pop rock dos anos 1990 que o consagrou.

Primeira de duas instrumentais, "Interlude (Wednesday Part 1)" abre a parte final do álbum. Uma pena que "If Love Is the Law" e a faixa-título são menos inspiradas do que o início do trabalho, que encerra com a instrumental "End Credits (Wednesday Part 2)".

Diferente dos dois primeiros álbuns, Who Built the Moon? não tem uma coerência do início ao fim e soa muito como um disco com alguns dos melhores singles possíveis que Noel conseguiu compor nos últimos anos. Ao ir pulando de um tipo de canção para outro diferente, o compositor mostra que tem certa ambição em fazer outras coisas. Mas, ao mesmo tempo, ele ainda não mostra organização em fazer isso de maneira a deixar com cara de álbum. Não é ruim, principalmente por mostrar um novo rumo na carreira, mas precisa de alguns ajustes para o próximo trabalho não soar uma pilha de singles colocados em ordem aleatória.

Tracklist:

1 - "Fort Knox"
2 - "Holy Mountain"
3 - "Keep on Reaching"
4 - "It's a Beautiful World"
5 - "She Taught Me How to Fly"
6 - "Be Careful What You Wish For"
7 - "Black & White Sunshine"
8 - "Interlude (Wednesday Part 1)"
9 - "If Love Is the Law"
10 - "The Man Who Built the Moon"
11 - "End Credits (Wednesday Part 2)"

Nota: 3/5



Saiba como ajudar o blog a continuar existindo

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!