No YouTube

segunda-feira, 4 de julho de 2016

Resenha: Blink-182 – California


Trio vem com novo vocalista em sétimo álbum de estúdio

Por incrível que possa parecer, o Blink-182 ainda existe. Não só existe, como lançou disco novo, California, na última semana. Engraçado pensar nisso, porque passei boa parte do fim dos anos 1990 e início dos anos 2000 ouvindo a formação de mais sucesso do trio – Tom DeLonge, Mark Hoppus e Travis Barker. Eles lançaram o bom Neighborhoods em 2011, mas a coisa desandou nos últimos anos e DeLonge saiu. Para seu lugar e neste novo disco, Hoppus e Barker contam com Matt Skiba, vocalista do Alkaline Trio, nos vocais e nas composições também.

O início curto com "Cynical" serve para ir aquecendo o ouvinte, que logo se depara com "Bored to Death". Hoppus e Skiba cantando parece mais um crossover de duas bandas do que uma coisa só. E a letra, simples e bobinha, mostra que o desejo do Blink-182 não é crescer. Esse trio deseja seguir na mesma toada de 15 anos atrás.

"She's Out of Her Mind" poderia estar em qualquer disco deles entre o Enema of the State (1999) e Take Off Your Pants and Jacket (2001), mas está nesse em 2016. Sinceramente, não parece uma coisa boa. Se "Los Angeles" e "Sober" soam muito mais Alkaline Trio do que Blink-182, "Built This Pool" é um interlúdio antes da ótima "No Future" – a que mais remete ao passado do trio, de longe, principalmente à época do self-titled. Um destaque vai para Travis Barker, ainda um dos grandes bateristas de sua geração.

Já "Home Is Such a Lonely Place" entra no seleto grupo de poucas canções acústicas, mas não é lá essas coisas por ser simples e bobinha. Outra legalzinha é "Kings of the Weekend", de refrão bem grudento e bem animada. "Teenage Satellites" e "Left Alone" têm cara de +44, projeto de Hoppus que ganhou vida logo após o hiato do trio. A ruim "Rabbit Hole" antecede a agitadinha "San Diego" e a razoável e grudenta "The Only Thing That Matters". A faixa-título é bem decepcionante, e o fim é marcado pela rápida e rasteira "Brohemian Rhapsody" – outro artifício usado em discos anteriores.

O Blink-182 conseguiu regredir com relação ao disco anterior, isso é óbvio, mas parece que a banda quer agradar seus fãs mais fiéis – mesmo o trio soando cansado. É o caso: quem realmente acompanha, vai gostar; quem só acompanha de longe, talvez não faça muita diferença em alguns meses. Quem não gosta não passará nem perto.

Tracklist:

1 - "Cynical"
2 - "Bored to Death"
3 - "She's Out of Her Mind"
4 - "Los Angeles"
5 - "Sober"
6 - "Built This Pool"
7 - "No Future"
8 - "Home Is Such a Lonely Place"
9 - "Kings of the Weekend"
10 - "Teenage Satellites"
11 - "Left Alone"
12 - "Rabbit Hole"
13 - "San Diego"
14 - "The Only Thing That Matters"
15 - "California"
16 - "Brohemian Rhapsody"

Nota: 2/5



Veja também:
Resenha: Garbage – Strange Little Birds
Resenha: Robert Ellis – Robert Ellis
Resenha: The Lumineers – Cleopatra
Resenha: Jake Bugg – On My One
Resenha: Band of Horses – Why Are You OK
Resenha: Laura Mvula – The Dreaming Room
Resenha: Red Hot Chili Peppers – The Getaway

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!

Esse post foi um oferecimento de Felipe Portes, o primeiro patrão do blog. Contribua, participe do nosso Patreon.