No YouTube

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Resenha: Dead Weather – Dodge and Burn


Talvez não seja possível chamar o Dead Weather de supergrupo, mas não deixa de ser uma banda muito interessante de se ouvir, ainda mais quando os membros são Alison Mosshart (The Kills), Jack White (White Stripes e Raconteurs), Dean Fertita (Queens of the Stone Age) e Jack Lawrence (Raconteurs, Greenhornes e City and Colour). A banda lançou Dodge and Burn cinco anos depois do bom Sea of Cowards e seis do excelente disco de estreia Horehound.

  • Gravadora: Third Man
  • Lançamento: 25 de setembro
  • Duração: 42min44
  • Produção: Jack White

Para um grupo que estava há tanto tempo sem colocar material inédito no mercado, iniciar com "I Feel Love (Every Million Miles)" é um baita golaço. Primeiro, é o tipo de faixa que qualquer fã espera; segundo, qualquer um, até mesmo os não fãs, sabem que Jack White está envolvido só de ouvir a guitarra distorcida. Aqui é o famoso ‘chegar chegando’ em forma de música, principalmente pelo ótimo refrão.

Não muito atrás, "Buzzkill(er)" tem muitos elementos da anterior e a vocalista Alison Mosshart está melhor do que nunca fazendo seu papel, e "Let Me Through" é certeira em usar ainda mais a guitarra distorcida e cheia de efeitos, além da batida insistente que coloca o ouvinte para sacudir a cabeça. As idas e vindas da melodia e da letra até o ápice mostram como a união entre eles é muito proveitosa musicalmente.

"Three Dollar Hat" é tão semelhante a tudo que White fez em sua carreira, que quase passa batida depois de três boas canções, assim como "Lose The Right" e “Rough Detective", duas em que também há melhores dentro das propostas apresentadas por ambas. "Open Up" chega e recupera o ritmo perdido do disco em uma típica faixa feita para pular e cantar junto.

"Be Still" poderia estar em qualquer um dos discos anteriores do grupo, porque não é excelente, mas também não compromete o andamento do trabalho – a parte instrumental é muito boa. Soando como algo feito por adolescentes, "Mile Markers" é a pior do disco, de longe. Nem se compara com as outras, nem mesmo com as mais fracas. A seguinte, "Cop and Go", também entra no grupo das faixas regulares, e "Too Bad" (o uso da guitarra como parte da letra ajuda muito no andamento de outra apenas mediana) e "Impossible Winner" (uma ótima balada no piano que encerra muito bem o disco).

Com poucas canções acima da média, Dodge and Burn é só um pouco melhor que mediano. Depois do início quase avassalador, o trabalho desanda um pouco na metade e fica subindo e descendo. Como só há uma música realmente ruim, isso acaba salvando o disco. Mas as canções boas são realmente boas, então existem lições para serem aprendidas aqui.

Tracklist:

1 - "I Feel Love (Every Million Miles)"
2 - "Buzzkill(er)"
3 - "Let Me Through"
4 - "Three Dollar Hat"
5 - "Lose The Right"
6 - "Rough Detective"
7 - "Open Up"
8 - "Be Still"
9 - "Mile Markers"
10 - "Cop and Go"
11 - "Too Bad"
12 - "Impossible Winner"

Nota: 3/5

Alison Mosshart: vocais
Jack Lawrence: baixo e vocais de apoio
Jack White: bateria, percussão, vocais e guitarra
Dean Fertita: guitarra, teclado, piano e vocais de apoio

Convidados:
Joshua V. Smith: caneca
Katelyn Westergard: violino
Kristin Weber: violino
Elizabeth Lamb: violão
Cara Fox: violoncelo



Veja também:
Resenha: Deerhunter – Fading Frontier
Resenha: ALO – Tangle of Time
Resenha: St Germain – St Germain
Resenha: Tiken Jah Fakoly – Racines
Resenha: Juçara Marçal & Cadu Tenório – Anganga
Resenha: Bárbara Eugenia – Frou Frou
Resenha: John Scofield – Past Present

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais! Isso ajuda pra caramba o blog a crescer e ter a chance de produzir mais coisas bacanas.