No YouTube

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Resenha: The Fratellis – Eyes Wide, Tongue Tied


É muito difícil acertar a mão em dois discos seguidos. Geralmente, fazem um primeiro trabalho ótimo ou um segundo trabalho ótimo, mas são raros os casos de acertos seguidos (sim, há exceções, mas olhando a quantidade de bandas que lançam álbuns novos, a proporção é baixa). O Fratellis entra nisso, pois não conseguiu repetir em Here We Stand o trabalho do ótimo Costello Music.

Daí a banda chegou a encerrar as atividades, e os três membros se dividiram em trabalhos solos – destaque para o ótimo Codeine Velvet Club, de Jon Lawler (aka Jon Fratelli). Em 2012, eles voltaram e colocaram no mercado o mediano We Need Medicine, e parece que desistiram de brigar porque lançaram há alguns dias Eyes Wide, Tongue Tied, quarto trabalho de estúdio.

A balada no piano "Me and the Devil" abre o novo disco e indica um novo caminho: mais suave e menos “Chelsea Dagger”, grande hit da banda até hoje. Não é uma canção ruim, mas está longe dos melhores momentos do Fratellis. Parece que falta alguma coisa – sal, talvez? O country legalzinho de "Impostors (Little By Little)" é grudento e serve para agitar um pouco (só um pouco) as coisas.

O Fratellis de verdade, de raiz, moleque, guitarras altas y me voy aparece na boa "Baby Don't You Lie to Me", essa, sim, uma canção que faz jus ao trabalho do grupo e pode repetir o sucesso dos grandes singles. Um tanto diferente, e mais uma balada, é "Desperate Guy", que consegue prender o ouvinte pela boa letra e pelo tom contador de histórias, e a regular "Thief" é metida a dançante e também tem muito do início de carreira deles.

A fraca "Dogtown" não serve para muita coisa, a não ser para mostrar que o Fratellis precisa parar com esse tipo de música. Na sequência, as baladas "Rosanna" e "Slow" também não ajudam muito no andamento do disco, porém "Getting Surreal" dá aquele respiro mais animado e alivia bastante o peso de duas faixas ruins. E se "Too Much Wine" é agitada, dançante e cheia de energia, "Moonshine" é mais delicada e encerra bem o álbum.

Eyes Wide, Tongue Tied é bem irregular do início ao fim. Com erros e acertos, não tem muito destaque na discografia da banda, ainda que algumas músicas possam se salvar para o futuro. O Fratellis precisa se reencontrar para voltar a ser aquela potência musical de anos atrás.


Tracklist:

1 - "Me and the Devil"
2 - "Impostors (Little By Little)"
3 - "Baby Don't You Lie to Me"
4 - "Desperate Guy"
5 - "Thief"
6 - "Dogtown"
7 - "Rosanna"
8 - "Slow"
9 - "Getting Surreal"
10 - "Too Much Wine"
11 - "Moonshine"

Nota: 2,5/5


Veja também:
Resenha: Cidadão Instigado – Fortaleza
Resenha: Archivist - Archivist
Resenha: Natalie Imbruglia – Male
Resenha: Vintage Trouble – 1 Hopeful Rd.
Resenha: Richard Thompson - Still
Resenha: Giorgio Moroder – Déjà Vu
Resenha: Joe Satriani – Shockwave Supernova