No YouTube

terça-feira, 25 de agosto de 2015

Resenha: Cidadão Instigado – Fortaleza


O Cidadão Instigado merece mais reconhecimento de todos nós, público e crítica, por tudo que entregou em sua carreira. Por dessas coisas que o destino permite, essa é a primeira vez que escreverei sobre um álbum deles – o último, UHUUU! (2009), saiu dois anos antes de o blog entrar no ar. Fortaleza não é só o nome do disco, mas da capital cearense que é base e casa desse grupo incrivelmente bom.

O início bem trabalhado e recheado de melodias de "Até que Enfim" consegue dá um ar progressivo interessante a primeira faixa do trabalho. Depois, bateria e baixo tomam conta até que a voz de Fernando Catatau entra e dá aquele tom que todos nós conhecemos, até que é encerrada de maneira abrupta. A seguinte, "Dizem que Sou Louco por Você", mais pesada (guitarras altas) e letra delicada (‘dizem que sou louco por você... Como eu e você’) mostram um lado mais sentimental da banda.

Quase um blues, "Os Viajantes" tem certo suingue que pode dar muito certo nos shows, enquanto "Perto de Mim" brinca bastante com sonoridades, coros vocais e tem um violão delicado e sereno fazendo a parte principal da melodia tranquila. Pode parecer estranho, mas senti certa referência a Secos & Molhados em "Besouros e Borboletas", pelo menos no início. Depois a canção ganha um teor pop rock radiofônico de alta qualidade e de refrão grudento.

O potencial imenso de "Ficção Científica" é mostrado pelo bom ritmo, daqueles de dançar sentado, e a letra cantada por Catatau é deliciosa e outra que entra na categoria ‘dá para decorar e cantar junto no show’. Biográfica, "Fortaleza" é a mais regional entre todas as canções do disco, uma mescla entre um rock melodicamente pesado e uma letra que poderia ser um forró cantado por Luiz Gonzaga, por exemplo.

Mais uma na linha sentimental, beirando um blues, "Land of Light" mescla o inglês e português de maneira que o ouvinte não fica muito perdido. Particularmente, não gosto desse tipo de mistura, mas não ficou ruim aqui, já "Green Card" é mais eletrônica e destoando bastante do restante do álbum. As guitarras altas e elementos que dão mais a cara do grupo como banda retornam na ótima "Quando a Máscara Cai". "Dudu Vivi Dada", maior em duração e cheia de idas e vindas, e a bonitinha "Lá lá encerram muito bem o disco.

Uma banda que completa 19 anos em atividade e ainda consegue ser relevante musicalmente é para poucos. E não, fera, não importa que eles não estejam na TV ou que não toquem nas rádios por aqui. Com a internet, enfim, o Cidadão Instigado pode ganhar o espaço que merece no Brasil.

Tracklist:

1 - "Até que Enfim"
2 - "Dizem que Sou Louco por Você"
3 - "Os Viajantes"
4 - "Perto de Mim"
5 - "Besouros e Borboletas"
6 - "Ficção Científica"
7 - "Fortaleza"
8 - "Land of Light"
9 - "Green Card"
10 - "Quando a Máscara Cai"
11 - "Dudu Vivi Dada"
12 - "Lá lá, Lá lá lá lá"

Nota: 4/5



Veja também:
Resenha: Archivist - Archivist
Resenha: Natalie Imbruglia – Male
Resenha: Vintage Trouble – 1 Hopeful Rd.
Resenha: Richard Thompson - Still
Resenha: Giorgio Moroder – Déjà Vu
Resenha: Joe Satriani – Shockwave Supernova
Resenha: Ana Cañas – Tô Na Vida