No YouTube

quinta-feira, 14 de maio de 2015

Resenha: METZ – METZ II


O METZ é uma banda canadense formada por pelo vocalista Alex Edkins, o baixista Chris Slorach e o baterista Hayden Menzies, trio que faz muito barulho em estúdio ou ao vivo. Na gravadora Sub Pop desde 2011, eles já lançaram dois discos pelo selo – METZ (2012) e METZ II, colocado no mercado recentemente.

Escrito e gravado durante a extensa turnê do grupo feita entre 2013 e 2014, o segundo registro em estúdio que, segundo a gravadora, “é a mais pura expressão do que eles vêm fazendo nos últimos anos”. E "Acetate” começa com um riff forte e pesado logo de cara, mostrando que eles não estão para brincadeira no quesito fazer barulho – ela é mais pesada do que 99% das músicas executadas nas rádios.

O começo de "The Swimmer" é um tanto assustador para quem não está acostumado com tanto barulho, mas logo vem a distorção e a sensação de estar em um show do Bad Brains no início de carreira é imensa. É punk e distorção em sua mais pura essência, enquanto "Spit You Out" é cheia de improvisos da melhor qualidade como há muito eu não ouvia.

A curta "Zzyzx", basicamente um guitarra distorcida ao fundo, acaba servindo de introdução para IOU", essa um punk violento, cheio de energia, vocal gritado e veloz – e que música maravilhosa. Não bastasse a paulada anterior, "Landfill" chega para fazer ainda mais barulho nos ouvidos, porque é mais pesada e agressiva, e o mesmo se aplica em "Nervous System", um punk puro do início ao fim.

Se nesse álbum existe alguma música que tem alguma chance, mesmo que minúscula ao quadrado, de tocar em alguma rádio é "Wait in Line". O refrão um tanto grudento e o ritmo ajudam a fixá-la na cabeça rapidamente, mas tenho quase certeza que o pessoal achará pesada em demasia. Mas, calma, tudo volta ao normal na ótima "Eyes Peeled", e eles encerram em "Kicking a Can of Worms", quase um prog psicodélico repleto de guitarras altas e distorções.

Esse disco é daqueles que vale o combo Sorín de elogios: espetacular e fantástico. METZ II é trabalho que chama atenção de quem gosta de guitarras altas, muito improviso e momentos em que a banda parece ter se juntado para uma jam ou algo do tipo. É para ouvir com o volume alto e pulando junto.

Tracklist:

1 - "Acetate"
2 - "The Swimmer"
3 - "Spit You Out"
4 - "Zzyzx"
5 - "IOU"
6 - "Landfill"
7 - "Nervous System"
8 - "Wait in Line"
9 - "Eyes Peeled"
10 - "Kicking a Can of Worms"

Nota: 4,5/5


Veja também:
Resenha: John Patitucci Guitar Quartet - Brooklyn
Resenha: My Morning Jacket – The Waterfall
Resenha: Mountain Goats – Beat The Champ
Resenha: Palma Violets – Danger in the Club
Resenha: Tulipa Ruiz – Dancê
Resenha: Hindi Zahra – Homeland
Resenha: Bill Laurance - Swift